Grão-mestre: maçons não podem despedir para lucrar

O grão-mestre da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), José Moreno, deixou na quarta-feira um aviso aos "irmãos" patrões: "Um maçom não deve, nem pode, promover o desemprego para proteger margens de lucro."

Num discurso realizado num almoço do American Club, em Lisboa, o grão-mestre da maçonaria regular mostrou-se convicto de que "os maçons saberão proteger os postos de trabalho sob a sua responsabilidade. Têm de o saber fazer".

Além do desemprego, José Moreno, refletiu sobre as divisões da maçonaria em Portugal, deixando claro que não concorda com a separação entre a GLLP e o Grande Oriente Lusitano. "Nos últimos cem anos a maçonaria em Portugal deixou-se condicionar por circunstancialismos ideológicos, políticos, profanos. Que dividiram quando deviam unir", lamentou. José Moreno considera que "a maçonaria é universal" e acrescentou "sem receio nas palavras (...) que a maçonaria também deve ser una".

Sempre crítico quanto às divisões entre "irmãos" lembrou: "Portugal é o País com mais grão-mestres per capita".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.