Grades à entrada de prédios contra sem-abrigo

Moradores e comerciantes da Avenida Almirante Reis têm vindo a colocar gradeamentos nas arcadas dos prédios nos últimos meses para impedir a permanência dos sem-abrigo na zona, uma medida feita, por vezes, sem o licenciamento da Câmara de Lisboa.

"A tensão é antiga, mas esta reação dos residentes acaba por ser recente. Houve um ou dois que instalaram e percebeu-se que era eficaz. A questão tem sido replicada por vários prédios e advinha-se que mais o venham a fazer no futuro", admitiu à agência Lusa o presidente da Junta de Freguesia dos Anjos, João Grave.

É na proximidade da igreja e do refeitório dos Anjos, onde diariamente se concentram dezenas de pessoas sem-abrigo, que também foi colocada a maioria destes gradeamentos. João Grave admite que possam ser cerca de dez os prédios que o têm vindo a fazer, desde há dois anos.

Foi depois de ser assaltada, com recurso a uma faca, que Eugénia Leitão, proprietária de uma loja de mobiliário na Almirante Reis decidiu colocar um gradeamento, castanho e com pequenas aberturas, para impedir que se abrigassem na arcada.

O assalto -- e a grade -- coincidem com a mudança do gabinete do presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, para o Intendente, que assinala dois anos no domingo.

"O presidente da câmara só se preocupou em limpar o sítio dele. Empurrou tudo cá para cima. E aí nós aqui tivemos que tapar para nos proteger um bocadinho", afirmou a comerciante de 61 anos.

Já Karim Badrudin e os moradores que habitam paredes-meias com a loja de eletrodomésticos que dirige colocaram o gradeamento há apenas três meses. Hoje, os sem-abrigo ficam de fora. Na arcada há vasos com plantas e colchões à venda.

"Há muitos sem-abrigo por isso é que decidimos todos em conjunto no prédio mandar pôr as grades para não interferir e prejudicar o funcionamento do estabelecimento como a passagem das pessoas no acesso ao prédio", conta o comerciante.

Karim Badrudin, que gere o negócio que os pais montaram na avenida há 30 anos, admite que o gradeamento "ajuda, mas que mesmo assim a avenida está cheia de sem-abrigo", que "do Intendente passaram para a Almirante Reis" e afetaram o negócio.

"É muito mau para o comércio e para as pessoas que andam na rua. As pessoas estão sempre com medo de serem assaltadas. A Câmara não faz nada", afirmou.

Joaquim Gonçalves, 80 anos, recentemente mudado para a Almirante Reis, defende que as grades "resolvem o problema perfeitamente e com pouco dinheiro".

Este reformado ainda não conseguiu convencer os vizinhos, mas admite que o prédio onde reside venha a ser brevemente mais um dos que têm grades à porta.

Por sua vez, Bruno Reis, que é proprietário de um prédio na Almirante Reis, opõe-se à instalação de grades, que lhe tem sido pedida por inquilinos.

"Os gradeamentos não são a solução. Podem ser solução pontual e pode assegurar a circulação das pessoas inquilinas do prédio, mas no fundo só arrastam um problema para a galeria mais próxima. Acho que temos de encontrar, junto das entidades competentes outro tipo de solução", disse.

Uma opinião semelhante tem o presidente da Junta dos Anjos: "A questão não se resolve impondo obstáculos, porque se não estiverem aqui estarão do outro lado da avenida, ou numa porta mais acima que ainda não tenha grades. Nós estamos a empurrar o problema e não a tentar solucioná-lo".

Para João Grave, faltam apoios para "estimular a motivação para que estas [pessoas] procurem um outro estilo de vida", no sentido de um projeto que a Junta está a desenvolver.

" agência Lusa, o vice-presidente da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, admitiu que "alguns destes gradeamentos têm licenciamento, outros não" e disse que está a ser feito um levantamento destas situações na avenida para regularizar a situação.

Por seu turno, António Costa, presidente da Câmara de Lisboa, sublinhou a existência de programas de apoio aos sem-abrigo promovidos pela autarquia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.