Governo quer inverter "situação grave" das farmácias

O bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Maurício Barbosa, disse hoje que "há sinais por parte do Governo" para inverter "a situação séria e grave" que vivem as farmácias.

O responsável falava hoje à agência Lusa antes da sessão de encerramento do Congresso Nacional dos Farmacêuticos que desde sexta-feira decorre no Centro de Congressos de Lisboa.

"A situação é séria e grave, houve da parte do Governo alguma negação da situação durante muitos meses", disse Maurício Barbosa acrescentando que "o Ministério da Saúde reconhece a gravidade da situação e já mostra sinais de disponibilidade para reverter esta situação muito negativa".

A Ordem quer que o Governo "estabeleça mecanismos estabilizadores dos medicamentos". Para Maurício Barbosa "é impensável que se continue com uma legislação que provoca uma espiral deflacionista dos preços dos medicamentos".

Segundo o bastonário, nos últimos dois anos os medicamentos genéricos baixaram 56% enquanto os de marca 6%. Só baixaram os medicamentos de marca que no grupo farmacêutico a que pertencem têm genéricos.

"Não está haver equidade entre medicamentos genéricos e os de marca", disse Maurício Barbosa que defendeu "uma atualização anual dos preços dos medicamentos" e a remuneração do ato farmacêutico.

"Sempre que uma farmácia faz uma dispensa de um medicamento está a praticar um ato farmacêutico e devem ser remuneradas por esse ato, como se passa em muitos países da União Europeia", disse.

"Se o Governo não puser mão nesta situação irá levar em 2013 ao encerramento de centenas de farmácias", realçou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG