Governo para quatro anos? Marcelo responde: "Presidente deseja que sim"

Candidato veste a pele de Chefe do Estado e diz querer entrar em funções com "a convicção de que é bom para o país que não haja crises". E pede Orçamento aprovado em março

Marcelo Rebelo de Sousa já pensa como Presidente da República e sinalizou esta segunda-feira estar preparado para conviver quatro anos com António Costa. O candidato a Belém afirmou aos jornalistas, à margem da inauguração de uma livraria em Lisboa, que "é evidente" que está pronto para "coabitar" com o Executivo do PS e, quando questionado sobre se acredita que terá Governo para quatro anos, respondeu de forma categórica: "O primeiro-ministro diz que sim e o Presidente da República deseja que sim."

E os acordos assinados pelo PS com BE, PCP e PEV dão-lhe essas garantias? Marcelo não hesita e mantém a pele de Chefe de Estado vestida: "O Presidente da República que vai entrar em funções entra com a convicção de que é bom para o país que não haja crises, que não haja instabilidades e que seja possível realizar os objetivos que não são apenas do Governo, devem ser objetivos nacionais."

Sobre a meta do défice para este ano, o ex-líder do PSD sublinhou acreditar nas palavras de Costa e também do ministro das Finanças, Mário Centeno. "O primeiro-ministro tem dito e eu acredito que o Governo quer fazer tudo para que não se ultrapasse o limite de 3%. Espero que não haja razão nenhuma de instabilidade não só política como económica e financeira", observou.

Sobre o Orçamento para o próximo ano, o candidato à sucessão de Cavaco Silva - que esta quinta-feira deverá ganhar os apoios de PSD e CDS -, notou que espera que o Governo consiga compatibilizar "medidas sociais necessárias à saída da crise" e a consolidação das contas públicas, evitando "uma situação que seja a repetição daquilo por que já passámos".

E, defendendo que se entre num tempo de "normalidade" política, rematou com um desejo: que o país tenha Orçamento a partir de março - isto é, ainda antes de o próximo inquilino de Belém tomar posse.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG