"Fundir câmaras ou juntas não resolve os problemas"

O presidente da mesa do Congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses afirmou hoje que fundir câmaras ou freguesias não resolve os problemas das pessoas e que, em vez dessa discussão, se deveriam dar mais meios financeiros às autarquias.

Mário Almeida, que falava na sessão de abertura do XIX da ANMP, que decorre hoje em Coimbra, disse que os municípios devem ter mais meios financeiros para poderem investir na educação, ambiente e na área social para corresponderem "aquilo que sabem ser as necessidades das populações".

"Mas em vez disto vemos encharcar-se a opinião pública com a necessidade de fundir municípios ou freguesias como se isto resolvesse os problemas das pessoas, ao contrário, como se isso não fosse agravar os problemas das pessoas", frisou, tendo sido fortemente aplaudido pelas centenas de autarcas presentes no pavilhão multidesportos Mário Mexia.

"Agora que se fala em extinguirem-se juntas de freguesia (...) essas juntas do interior onde estão pessoas que não ganham qualquer tipo de salário, o que é que isso interessa?, questionou.

O presidente do Congresso lembrou ainda que muitas vezes estes autarcas são o único elo de ligação das populações com a administração local.

Acérrimo defensor da regionalização, concluiu: "Isto não resolve minimamente a situação. (...) O poder deve exercido mais perto das populações. É preciso é avançarmos para a regionalização".

Mais de 1000 autarcas estão hoje reunidos no XIX Congresso da ANMP em que um dos principais assuntos a analise da situação financeira das câmaras tendo como pano de fundo as imposições da 'troika'.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG