Fernando Nobre diz que se trata de "mera proposta"

O cabeça de lista social-democrata por Lisboa, Fernando Nobre, considerou hoje que a sugestão do grupo "Mais Sociedade" sobre a redução das pensões em caso de desemprego é "uma mera proposta", que será "analisada pelos órgãos próprios do partido".

"É uma mera proposta, esperemos que ela seja analisada pelos órgãos próprios do partido, nomeadamente pelo seu presidente, que decidirá. Só me pronunciarei depois de o partido ter tomado uma posição", afirmou Fernando Nobre.

O cabeça de lista do PSD pelo distrito de Lisboa falava aos jornalistas à saída do Palácio de Justiça onde os sociais-democratas entregaram as listas daquele círculo eleitoral.

"A minha presença, enquanto independente, como número um dessa lista, é o garante que o PSD estará extremamente atento às questões sociais e estará particularmente atento à sociedade civil, à cidadania e todas as preocupações que os portugueses manifestam nos dias de hoje", disse Fernando Nobre.

Sobre uma eventual coligação pós-eleitoral do PSD com outros partidos afirmou tratar-se de "uma decisão que pertencerá às estruturas do partido" e não a si, escusando mais comentários.

Questionado sobre se sente à vontade no partido, respondeu: "Sinto-me à vontade num partido que se define como social e democrata, são essas as características que me definem também".

O grupo de reflexão Mais Sociedade, formado a convite do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, propõe que o recurso ao subsídio de desemprego implique uma redução de direitos na pensão de reforma, segundo a edição de hoje do Jornal de Negócios.

Assim, no caso de um cidadão perder o emprego, poderá adiantar, dentro de limites a definir, parte das contribuições para a sua reforma, tendo em vista um regresso rápido ao mercado de trabalho.

No sistema em vigor, o Estado garante a quem recebe subsídio de desemprego equivalência no registo de contribuições com um valor idêntico ao que teria se continuasse a trabalhar.

O programa eleitoral do PSD deverá ser apresentado na primeira semana de Maio.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG