Fenprof vai processar JSD

Em causa está a imagem publicada ontem nas redes sociais, em que o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, é comparado a Estaline

A Fenprof anunciou esta terça-feira que vai abrir um processo jurídico conta a Juventude Social Democrata (JSD), por terem utilizado a imagem de Mário Nogueira num cartaz que colocava em causa "o bom nome" da institução. O ato foi descrito como "inaceitável e condenável".

No cartaz, com o título "Isto Stalin(do), está!", via-se o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, fardado como o ditador soviético Estaline, e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, manipulado por fios. A imagem foi publicada esta segunda-feira no site da JSD e nas redes sociais, com a pergunta "Foi nisto que votou?"

"O Gabinete Jurídico da FENPROF irá avançar com um processo jurídico contra a JSD por ofensa, que reputa de grave, ao bom nome desta Federação", lê-se no comunicado enviado às redações.

O presidente da organização juvenil social-democrata, Simão Ribeiro, disse à Lusa que a iniciativa visa firmar "uma posição política e fazer entender ao país que falta um debate sério sobre o modelo educativo desejável", alertando contra aquilo que considera ser "uma cedência do Governo e do PS, que estão reféns do PCP e dos sindicatos, numa espécie de nacionalização do ensino, com o único objetivo da sobrevivência do primeiro-ministro no poder".

"A JSD equaciona mais ações e fará uma análise de que tipo de intervenção a tomar sobre esta matéria", continuou. Há a possibilidade de a imagem ser reproduzida em cartazes de rua, por exemplo.

"Portugal deve desenvolver o melhor modelo educativo para cada criança e jovem português. E o melhor modelo não é o que agrade mais ao comunista Mário Nogueira, que há muitos anos que não sabe o que é dar aulas. O melhor modelo não é o que mais agrade aos presidentes de câmara, ao ministro da Educação, aos diretores de colégios ou qualquer outro interveniente nesta polémica", lê-se em comunicado.

O mesmo texto questiona "quantos milhões serão gastos? e quantos milhões mais custará rasgar os contratos de associação que o Governo decidiu incumprir?", acrescentando-se que "nunca é demais relembrar a este Governo protocomunista que os fundos públicos não são um saco sem fundo".

Segundo a JSD, o executivo liderado pelo socialista António Costa e com apoio parlamentar de BE, PCP e PEV, "não quer, nunca quis, decidir em função do bem público, e pretende tão só e apenas fazer boa figura nos exames trimestrais perante o corporativismo

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG