"Situação gravíssima no interior. A situação é assustadora"

Ex-ministro da Agricultura Arlindo Cunha alerta para situação "gravíssima" do interior

O antigo ministro da Agricultura Arlindo Cunha considerou hoje, em Castanheira de Pêra, que o interior do país está numa situação "gravíssima", decorrente dos desequilíbrios demográficos e da desertificação.

"A problemática do interior é uma situação gravíssima que Portugal tem para resolver. A situação é, de facto, assustadora. Temos uma situação muito grave em termos de disparidade do território", afirmou Arlindo Cunha, ao participar numa iniciativa solidária promovida pela Confagri - UGT sob o tema "Valorizar o interior - Promover o Investimento e o Emprego".

Segundo Arlindo Cunha, entre os problemas que afetam o interior, destacam-se a disparidade de rendimento e de oportunidades [face ao litoral], "uma catástrofe demográfica anunciada", a desertificação dos territórios e a "morte do património rural".

Quando os territórios não têm peso nem economia, as debilidades vêm ao de cima

Para o antigo ministro, os vários governos foram reduzindo também os serviços públicos nas regiões do interior. "O Estado foi desaparecendo. Se o Estado não serve para a coesão para que é que serve?", questionou.

O ex-governante defendeu, neste contexto, para os territórios do interior e para as áreas ardidas, politicas de discriminação positiva.

Por seu turno, o ex-presidente do Conselho Económico e Social (CES), Silva Peneda, defendeu a necessidade de se pensar nas politicas a aplicar e da escolha de opções para o desenvolvimento territorial.

Portugal não tem uma estratégia territorial. Os três grandes problemas de Portugal são a dívida, a demografia e as desigualdades

Segundo Silva Peneda, para resolver estes problemas do interior é necessário haver um amplo consenso politico.

Exclusivos