Passos e Rui Rio festejam a maioria absoluta de Cavaco... sem ele

Eleitos do PSD em 1991 juntam-se num almoço. Entre eles, o líder do partido e Rui Rio, mas o ex-Presidente não foi convidado

A segunda maioria absoluta de Cavaco Silva - o melhor resultado de sempre do PSD em legislativas - vai sentar hoje à mesma mesa o líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, e aquele que vem sendo apontado como um possível candidato à sucessão, se não mesmo futuro adversário - Rui Rio.

O almoço evocativo que decorrerá hoje na Assembleia da República pretende juntar os deputados que foram eleitos pela primeira vez para o parlamento (e que não saíram logo para o governo) nas eleições legislativas de 6 de Outubro de 1991. Segundo Manuel Castro Almeida, antigo secretário de Estado e ex-presidente da Câmara de São João da Madeira - que assume a paternidade da iniciativa - "a ideia foi juntar os que iniciaram funções nesse dia, há exatamente 25 anos". E, se o almoço vai juntar Passos Coelho e Rui Rio - que tem sido associado a movimentações internas de descontentes com a atual liderança - Castro Almeida recusa qualquer leitura política deste almoço. "Fui o autor da ideia, esta é uma data relevante, quis juntar-me com as pessoas que fizeram parte da mesma equipa. É um almoço de confraternização, de amigos", diz ao DN.

Cavaco Silva de fora

O almoço evocativo não contará com o principal artífice da maioria absoluta dos sociais-democratas - o próprio Cavaco Silva. Contactado ontem pelo DN, o gabinete de Cavaco disse conhecer a iniciativa, mas esclareceu que o ex-presidente não recebeu qualquer convite para estar presente. Um facto que não estranhou dado os critérios que presidiram aos convites.

De acordo com Castro Almeida vão estar presentes no almoço, que decorrerá no Refeitório do Frades, no parlamento, além de Passos e Rio, nomes como Nunes Liberato, antigo chefe da Casa Civil de Cavaco Silva em Belém ou o ex-ministro das Finanças Braga de Macedo. Tal como Duarte Pacheco que, a par de Passos, é o único dos eleitos de há 25 anos que se mantém como deputado.

O melhor resultado de sempre

Depois de uma primeira maioria absoluta, em 1987, a 6 de Outubro de 1991 Cavaco Silva ganhou novamente as legislativas, subindo a fasquia para os 50,6% dos votos, que deram aos sociais-democratas 135 assentos na Assembleia da República - resultado que se mantém até hoje como o melhor de sempre dos sociais-democratas. "Houve listas de alguns distritos que, com as saídas para o governo, chegaram ao último suplente", lembra Macário Correia, um dos eleitos de 1991, que não estará presente no almoço por razões profissionais.

Além da estreia como deputado, a saída para o governo foi outro critério de exclusão da lista de convites. Entre os eleitos sociais-democratas de 1991 contam-se nomes como Arlindo de Carvalho, Dias Loureiro, Duarte Lima, Pedro Santana Lopes, Leonor Beleza, Mira Amaral, Miguel Relvas, Durão Barroso, Pacheco Pereira, Luís Filipe Menezes, João de Deus Pinheiro ou Fernando Nogueira.

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.