Candidatos à liderança do PSD consideram eleição de Centeno positiva para Portugal

Rui Rio e Pedro Santana Lopes congratularam a eleição do ministro das Finanças português

Os candidatos à liderança do PSD Rui Rio e Pedro Santana Lopes saudaram esta segunda-feira a eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, que ambos consideraram ser positiva para Portugal.

"O quadro do Eurogrupo e dos países da moeda única reconhece que Portugal tem feito uma trajetória importante, que engloba aquilo que foi feito pelo anterior governo e também aquilo que tem sido feito por este. É um fator positivo para Portugal e devemos estar todos orgulhosos de isso ter acontecido", afirmou Rui Rio, em declarações aos jornalistas, à entrada para uma missa evocativa de Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, falecidos há 37 anos, na Basílica da Estrela, em Lisboa.

Logo em seguida, Pedro Santana Lopes chegava também ao mesmo local e, questionado sobre a mesma matéria, fez apenas uma breve declaração.

"Com certeza que sentimos satisfação por este dia importante para Portugal, desejo-lhe felicidades, como é natural", afirmou o antigo primeiro-ministro.

Pedro Santana Lopes e Rui Rio são, até agora, os únicos candidatos à disputa da liderança do PSD, com eleições diretas marcadas para 13 de janeiro.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, foi hoje eleito presidente do Eurogrupo, ao impor-se na segunda volta da votação realizada em Bruxelas, anunciou o Conselho da União Europeia.

Centeno foi o mais votado na primeira volta (oito votos), após a qual saíram da "corrida" a letã Dana Reizniece-Ozola e o eslovaco Peter Kazimir, tendo o ministro português derrotado o candidato luxemburguês Pierre Gramegna na segunda volta da eleição.

Centeno torna-se, assim, o terceiro presidente da história do fórum de ministros das Finanças da zona euro, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Jeroen Dijsselbloem, assumindo funções em janeiro próximo.

Mário Centeno iniciará a 13 de janeiro um mandato de dois anos e meio, até meados de 2020.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.