Estar com amigos, comer passas e tomar resoluções para incumprir

A passagem de ano é para estar com quem mais se gosta. Cinco deputados contam como é que passam a noite, mesmo que não liguem muito à data

É um tempo para estar com amigos e a família, há passas e champanhe, pensa-se um pouco mais no que se fez e no que há de vir, mas o Ano Novo dos políticos (pelo menos dos cinco deputados que o DN ouviu) não foge ao que é a passagem de ano de muitos - mesmo que não lhe prestem particular atenção.

Separados politicamente, Margarida Balseiro Lopes (PSD), Ivan Gonçalves (PS), Joana Mortágua (BE), Ana Rita Bessa (CDS) e Rita Rato (PCP) alinham todos num registo de encontro com os amigos e a família, apesar de Balseiro Lopes passar pela primeira vez o réveillon longe de cá. "Há seis anos o meu irmão emigrou para Moçambique e vamos aproveitar este período para o ir visitar", conta ao DN.

Joana Mortágua diz que esta época é aproveitada para estar no Alvito, em casa dos pais. Ela e a irmã Mariana, também deputada, aproveitam para ir até ao Alentejo ter com os amigos que ali regressam. "É uma boa oportunidade para estar e rever pessoas", como por exemplo à volta da fogueira ou percorrer os cafés. "Tradições de vila pequena", ilustra.

Para Ivan Gonçalves o registo é semelhante: "Acaba por ser a altura em que costumo estar com amigos com quem não estou ao longo do ano." Como para Rita Rato, que não liga muito à data, mas que também se junta a amigos. "E desde que o meu filho nasceu, são alturas para estar mais com a minha família."

Ana Rita Bessa baralha e dá de novo. "O Ano Novo não tem nada de especial, não sou uma groupie da passagem de ano", diz, antecipando que "acaba por ser um pretexto para juntar amigos". E elabora sobre esta época: "Já vivi coisas muito diferentes na passagem de ano. Já tive uma filha no hospital, com 15 dias, passei a noite nos cuidados intensivos, já tive essa experiência estranha de ver como toda a gente está a festejar e há um mundo que não é de festejo. Já passei o ano numa missa, na minha juventude, numa atitude de agradecimento, e já passei em muitas festas..."

De outros anos, Joana Mortágua e Rita Rato recordam a passagem de ano de 1999 para 2000, a viragem do milénio. "Foi a primeira que passei fora de casa, foi muito planeada e esperada, mas deve ter sido para toda a gente", lembra Joana. Que, não ligando muito a passas, tem uma mãe que "não dá hipótese e certifica-se de que todos comem as 12 passas".

Para Margarida, que passou a maior parte das passagens de ano em São Pedro de Moel, "de uma forma ou de outra foram cada uma delas especiais, por terem sido em casa rodeada pela família e pelos amigos". Segundo Ivan, o registo foi sempre caseiro, entre a sua casa ou a de amigos. "Nunca fui de festas de rua", tirando uma noite em Mação, que acabou no madeiro. E adivinha-se um sorriso quando vêm à memória outros anos. "Há algumas engraçadas, mas são coisas que não se publicitam."

Nenhum dos deputados ouvidos pelo DN sonha com passagens de ano nem viagens. "Há coisas que gostaria de fazer e países para visitar, mas de preferência não na passagem de ano", sintetiza Ivan. O Brasil é um destino que apetece para Rita. "Uma viagem de sonho era à terra do samba e da bossa nova", mas também não tem de ser no Ano Novo. Joana confessa que gosta de passear por Portugal entre o Natal e o fim de ano, mas faz "muita questão" de estar nessas duas datas no Alentejo. E Margarida admite que tem "uma paixão pelos Açores" e confessa "que gostava de fazer lá uma passagem de ano".

O Ano Novo é o dia das resoluções - "que começo a incumprir no dia a seguir", reconhece Joana. Ou como explica Ana Rita, "esta coisa que acabamos por não cumprir mas que fazemos sempre". A deputada centrista gostava de um dia traduzir numa passagem de ano o poema de Carlos Drummond de Andrade, Receita de Ano Novo: "Para ganhar um Ano Novo/ que mereça este nome, / você, meu caro, tem de merecê-lo,/ tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,/ mas tente, experimente, consciente./ É dentro de você que o Ano Novo/ cochila e espera desde sempre."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.