Esquerda pede "melhorias" na integração de precários no Estado

BE e PCP sublinham o caminho feito até agora, mas acrescentam que há questões a rever. Os dois partidos querem fazer alterações à portaria do Ministério do Trabalho

Bloco de Esquerda e PCP ainda não estão totalmente satisfeitos com a proposta apresentada pelo governo para a integração dos trabalhadores precários do Estado. Os dois partidos defendem que o projeto de portaria já apresentado pelo ministério do Trabalho ainda pode ter "melhorias", no sentido de garantir que todos os trabalhadores com vínculo precário que desempenham funções permanentes possam ter a oportunidade efetiva de integração.

Para o Bloco de Esquerda um dos pontos que deve merecer alteração prende-se com a composição das comissões de avaliação bipartidas que vão emitir parecer sobre se a função de cada trabalhador é ou não permanente e se o vínculo laboral existente é o adequado. Estas comissões terão representantes do ministério das Finanças, do Trabalho e do ministério que tutela o trabalhador, bem como dos sindicatos da função pública, mas o BE quer que a composição das comissões seja totalmente paritária entre membros do governo e representantes dos trabalhadores. "A composição não deve ser apenas bilateral, mas paritária. Não deve haver um desequilíbrio a favor da tutela", sublinha o deputado bloquista José Soeiro, acrescentando que o BE está "ainda a procurar que se possa corrigir a composição das comissões".

Outra questão que o Bloco quer ver consagrada na portaria é a possibilidade de recurso das decisões. Mesmo que ela seja possível, à luz do Código do Procedimento Administrativo, os bloquistas querem que ela fique expressa no próprio documento.

José Soeiro diz ainda que há "coisas que precisam de ser clarificadas para garantir que todas as situações são suscetíveis" de ser consideradas, mas sublinha que "se tem feito caminho" na melhoria da proposta. E dá exemplos de "preocupações fundamentais" dos bloquistas que acabaram por desaparecer do articulado que o governo apresentou na última quarta-feira aos parceiros. Por um lado, a possibilidade de todos os trabalhadores requererem a avaliação da sua situação, independentemente de não terem sido incluídos no diagnóstico apresentado pelo governo (caso dos trabalhadores em regime de outsourcing). E o mesmo para as carreiras especiais, como a dos enfermeiros. "Não faria nenhum sentido que enfermeiros, investigadores ou outras carreiras especiais ficassem de fora", sublinha o deputado. A única exceção serão os professores, que têm curso um processo de vinculação extraordinária - que para o BE "devia ser muito mais abrangente".

Rita Rato, deputada do PCP, sublinha que a portaria do governo tem que dar resposta integral ao que ficou consagrado no Orçamento do Estado para 2017, por proposta dos comunistas - "todos os trabalhadores que correspondam a necessidades permanentes do Estado devem ser integrados". E "todos" quer dizer mesmo isso, incluindo os contratos emprego-inserção (que vão ter regras diferentes), os trabalhadores que trabalham em regime de outsourcing, através de empresas de trabalho temporário, os falsos recibos verdes e os contratos a prazo. Quanto àqueles que trabalham para o Estado em regime de substituição (de trabalhadores com baixa, em licença parental ou comissão de serviço), Rita Rato sublinha que nestes casos não se trata de preencher uma necessidade permanente, mas temporária, pelo que é aceitável que não integrem este processo. A deputada comunista sublinha, no entanto, que há matérias em que a proposta do governo "pode ser melhorada" e que o PCP "está disponível para esse trabalho" - "queremos contribuir para a melhoria do diploma".

A portaria, ainda suscetível de alterações, deverá ser finalizada em breve, dando assim o pontapé de saída para a constituição das comissões bilaterais e para o início, no terreno, do processo de avaliação dos vínculos precários, que deverá ficar concluído até outubro.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.