Esperança de vida aumentou na última década

Mulheres continuam a viver mais que os homens, mas a diferença está a diminuir

A esperança média de vida aumentou na última década em Portugal e as mulheres continuam a viver mais anos dos que os homens, mas essa diferença está a diminuir, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística hoje divulgados.

Os dados das Tábuas Completas de Mortalidade para Portugal relativas ao período 2012-2014 referem que o valor da esperança de vida à nascença foi estimado em 80,24 anos para ambos os sexos, sendo de 77,16 anos para os homens e de 83,03 anos para as mulheres.

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente).

As mulheres continuam a viver mais anos do que os homens, contudo a expectativa de vida de homens e de mulheres tem vindo a aproximar-se com os maiores ganhos a registarem-se na população masculina.

De acordo com o INE, a diferença na esperança de vida à nascença de homens e mulheres diminuiu de 6,46 para 5,87 anos entre os triénios 2002-2004 e 2012-2014.

Em 2012-2014, a esperança de vida aos 65 anos foi estimada em 19,12 anos para ambos os sexos, sendo 17,23 anos para os homens e 20,55 anos para as mulheres.

Em dez anos, a esperança de vida aos 65 anos aumentou 1,63 anos para os homens e 1,61 para as mulheres.

A Tábua Completa de Mortalidade é um estudo estatístico que se realiza anualmente, abrangendo toda a população residente em Portugal, com base em informação proveniente de outras operações estatísticas, da área da demografia, desenvolvidas pelo INE.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.