Espaço Cidadão torna-se móvel e vai ao encontro dos cidadãos

Projeto-piloto inaugurado em Lisboa permite chamar um técnico que ajuda pessoas dependentes a requerer todo o tipo de documentos públicos.

Pessoas com mobilidade reduzida, internadas ou infoexcluídas já podem requerer documentos públicos através de funcionários que os visitam para esse efeito, como sucedeu esta quarta-feira com uma residente num lar da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O lançamento do Espaço Cidadão Solidário, para já um projeto-piloto entre a Agência para a Modernização Administrativa, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e as juntas de freguesia de Benfica, Misericórdia e Santo António (as três da capital), ocorreu no Lar de Santa Joana Princesa.

A par da meia centena de lojas físicas do Espaço Cidadão e das 600 extensões existentes em juntas de freguesia ao longo do país, este projeto móvel acaba por ser uma resposta do Estado ao crescente envelhecimento da população e que visa facilitar a vida de quem tem pouca mobilidade, referiu a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Graça Fonseca.

A pensionista que estreou o novo serviço requereu o complemento solidário para idosos, tendo a funcionária do Espaço Cidadão usado o computador portátil para preencher os dados da requerente. Depois imprimiu-se o documento numa impressora também portátil, seguindo-se a respetiva assinatura (neste caso colocando a impressão digital).

Elemento central do Espaço Cidadão Solidário é a mala vermelha onde são transportados o computador e a impressora - que, por exemplo nos hospitais, será de maiores dimensões e transforma-se num pequeno balcão de atendimento.

Graça Fonseca explicou que o projeto disponibiliza todos os serviços a que é possível aceder nas lojas físicas do Espaço Cidadão, como preencher o IRS ou pedir o cartão do cidadão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG