Bastonário defende triagem clínica adicional para pulseiras amarelas

Miguel Guimarães afirma que estão a ultrapassar-se os tempos definidos para a prioridade dos doentes que, no caso das pulseiras amarelas, é de uma hora.

A Ordem dos Médicos defende que os doentes com pulseira amarela nas urgências tenham uma triagem clínica adicional quando houver atrasos ou entupimentos nos serviços.

"Existem tempos de espera para doentes amarelos que são muito elevados. Este grupo de doentes não é todo igual. Tenho a certeza de que uma triagem clínica dos doentes poderia ajudar a distinguir os doentes de facto urgente dos menos urgentes", sugere o bastonário Miguel Guimarães em entrevista à agência Lusa.

Estas adaptações à atual triagem feita nas urgências podiam ser aplicadas, com flexibilidade, no caso de haver atrasos no cumprimento dos tempos de resposta a estes doentes ou quando as urgências estejam especialmente concorridas.

Atualmente a triagem de Manchester é realizada nas urgências geralmente por enfermeiros, que se baseia num fluxograma que dá ao profissional uma prioridade clínica baseada na identificação dos problemas do doente.

O bastonário entende que nas urgências está atualmente a ultrapassar-se de forma constante os tempos definidos para a prioridade dos doentes.

No caso dos doentes vermelhos, considerados de emergência, não deve haver qualquer tempo de espera. No caso dos doentes com pulseira laranja, que são muito urgentes, o tempo entre a triagem e a observação médica deve ser até dez minutos e no caso dos amarelos deve ser no máximo uma hora.

"A triagem de Manchester tem erros, o que pode ser potencialmente grave para os doentes. Se um hospital está numa situação em que temos 'X' doentes amarelos e o tempo de espera chega a duas, quatro ou cinco horas, é importante que seja feita uma triagem clínica. Porque pode permitir distinguir um doente mais urgente de um menos urgente", sugere Miguel Guimarães.

Entende ainda que a triagem de Manchester "tem de estar mais adaptada" ao perfil atual dos doentes que recorrem aos serviços de saúde, que difere do de há alguns anos. É uma população mais envelhecida e com mais doenças crónicas. Nalguns casos, são pessoas que chegam a ir a uma urgência 15 ou 20 vezes num ano.

O bastonário considera que esta é uma das propostas que deve ser avaliada no conjunto das sugestões que já fez ao Ministério da Saúde sobre a reforma do serviço de urgência.

O responsável considera lamentável a "incapacidade total do Ministério da Saúde" em resolver o problema das urgências hospitalares em Portugal, mas reconhece que essa incapacidade não pertence apenas ao atual ministro Adalberto Campos Fernandes, mas também a "vários ministros da Saúde dos últimos anos".

"Não podemos continuar no Serviço Nacional de Saúde [SNS] a fazer pequenos remendos, a tapar pequenos buracos. É preciso uma reforma global e de integração dos vários cuidados", afirmou.

Para Miguel Guimarães, a sobrecarga das urgências neste inverno está apenas a revelar a fragilidade do SNS: "O nosso SNS está tão frágil que à mínima situação de stress fica em pantanas".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...