Empordef considera leilão de aço como um sucesso

Concorrentes apresentaram propostas de compra por valores superiores ao da licitação base do concurso anterior, anulado por ter ofertas inferiores a esse valor.

Cerca de 8000 das 15700 toneladas de aço leiloadas esta esta segunda-feira pelos estaleiros de Viana renderam "mais de três milhões de euros", superando as expetativas existentes, afirmou o presidente da holding das indústrias de Defesa.

"Conseguimos mostrar que o mercado existe" e faz ofertas superiores ao preço base dos lotes de aço definidos para o leilão anterior e que foi cancelado porque as propostas entregues eram inferiores a esse preço base, referiu João Pedro Martins.

O responsável da Empordef falava à imprensa no decorrer do leilão, realizado à porta fechada nas instalações da Polícia Municipal de Lisboa, a que se apresentaram quatro candidatos, armazenistas e ligados à construção naval, dos quais três portugueses e um espanhol.

A título de exemplo, João Pedro Martins - lembrando que a estimativa feita apontava para um alor entre os cinco milhões e os 5,5 milhões de euros pelas 15700 toneladas de aço - informou que lotes com preço base de 390 euros por tonelada foram licitados na casa dos 430 euros.

"Cerca de 8000 toneladas foram objeto de ofertas e, nesta fase em que ainda estamos com licitação, temos um encaixe superior a 3 milhões de euros", referiu o presidente da Empordef (cuja comissão liquidatária está igualmente a extinguir a empresa pública Estaleiros Navais de Viana do Castelo).

Recorde-se que este aço foi adquirido há alguns anos pelos estaleiros de Viana, a fim de construir dois navios asfalteiros para a Venezuela por 128,5 milhões de euros.

A construção chegou a iniciar-se mas depois não avançou e, em meados deste ano, o Estado português avançou para a resolução do contrato.

Exclusivos