Embaixada de Portugal na mira de espiões alemães

Serviços secretos alemães espiaram várias embaixadas, incluindo as de Portugal, Grécia e Espanha, diz a 'Der Spiegel'

Os serviços secretos alemães (BDN) espiaram a Embaixada de Portugal na Alemanha, bem como uma série de outras representações diplomáticas de países da União Europeia, como Grécia, Espanha, Itália ou Reino Unido. Este é o mais recente desenvolvimento do escândalo de espionagem da BDN a países aliados, que foi revelado há três semanas pela revista Der Spiegel.

Ontem, a publicação voltou ao caso, revelando que a dimensão das atividades de vigilância secreta por parte da BDN junto dos seus parceiros "é maior do que aquela que tinha sido relatada" no mês passado.

"Desde as revelações de outubro, soubemos que a BDN espiou o departamento de Estado do Interior dos Estados Unidos e os ministérios do Interior de países membros da UE, incluindo Polónia, Áustria, Dinamarca e Croácia", bem como as embaixadas na Alemanha de "Estados Unidos, França, Reino Unido, Suécia, Portugal, Grécia, Espanha, Itália, Áustria, Suíça e, até, o Vaticano", escreveu a Der Spiegel online.

Além das embaixadas destes países, estiveram também sob escrutínio secreto por parte da BDN várias organizações não governamentais, como o comité internacional da Cruz Vermelha, em Genebra, a Oxfam e a Care International, garante a revista alemã.

Os serviços secretos alemães foram muito criticados no início do ano, por terem alegadamente espiado, para a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, vários responsáveis do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, da Presidência francesa e da Comissão Europeia.

Há três semanas a Der Spiegel lançou a bomba: a BDN não se limitou, afinal, a espiar a pedido da NSA, mas fez trabalho por conta própria, espiando várias embaixadas e governos "de países europeus e aliados", nomeadamente a França e os Estados Unidos.

Ontem a lista dos escrutinados aumentou substancialmente, com a Embaixada de Portugal a entrar também para o rol.

Esta prática, segundo a revista, terá durado vários anos, antes de ter terminado em 2013.

Em outubro, aquando da revelação, o ministro da Justiça alemão, Heiko Maas, defendeu que os serviços secretos alemães devem ser submetidos "a regras mais restritas" e que essas regras "têm de ser aplicadas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG