"É completamente prematuro" discutir renegociação da dívida portuguesa

Presidente da República disse que não faz sentido especular e que os compromissos assumidos estão a ser cumpridos

O Presidente da República considerou hoje "prematuro e extemporâneo" fazer uma discussão sobre a renegociação da dívida portuguesa, face ao período de eleições que vai ter lugar, durante o próximo ano, em várias países fundadores da União Europeia.

"Estar a especular sobre cenários europeus num ano em que vai haver eleições em várias das economias fundadoras da União Europeia, até, praticamente, daqui a um ano, estar a especular sobre o que será a Europa nessa altura, e estar a fazer um debate sobre matéria da dívida, é completamente prematuro e extemporâneo. Não faz sentido", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

"Só se quisermos um daqueles debates a que eu estava habituado na universidade, em que debatemos, teoricamente, tudo. E é muito útil. Mas debater [a renegociação da dívida], em termos concretos, com relevância política, não faz sentido nenhum", acrescentou.

O Presidente da República, que falava aos jornalistas durante a visita à fábrica de automóveis de Palmela, integrada nas comemorações dos 25 anos da Autoeuropa, lembrou ainda que Portugal está a cumprir os compromissos assumidos com a União Europeia.

"Neste momento há compromissos assumidos, os compromissos estão a ser cumpridos, os resultados vão na linha desses compromissos. São boas notícias", disse.

"É uma boa notícia que a execução orçamental aponte para os 2,5% este ano, é uma boa notícia a aprovação de um orçamento que aponta para uma redução do défice no ano que vem. Agora, a Europa mudará daqui a um ano, daqui a dois, daqui a dez? Que Europa será? E no quadro dessa Europa o que é que acontecerá? Vale a pena estarmos fazer disso uma questão de debate hoje? Eu, realisticamente, penso que não", concluiu.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.