Dois meses bastaram para David convencer Maria

Primeiro encontro aconteceu no aeroporto, depois de se terem conhecido pela Net. O noivo sonhava casar-se pelo Santo António

Dois meses bastaram para que Maria Nunes trocasse, por amor, a ilha da Madeira por Lisboa. Foi em 2009, já depois de ter passado quatro dias na capital para se encontrar com o homem que conhecera num chat (sala de conversação) na Internet. A ideia de se casarem pelo Santo António surgiu mais tarde e foi uma decisão bem ponderada.

"Não é propriamente como ir à esquina e tomar um café", garante a empregada de balcão, a seriedade quase a contrastar com as palavras sonhadoras de David Leomaro, em jeito de declaração de amor. "Eu tinha o sonho de casar pelos noivos de Santo António e encontrei a pessoa certa", confidencia o agente de fiscalização que já marchou três vezes na Avenida da Liberdade, por dois bairros.

Desta vez, vai fazê-lo envergando um traje bem diferente, de mão dada com a mulher com que escolheu constituir família e que beijou pela primeira vez no aeroporto da Portela, no primeiro encontro.

"Temos uma filha de 19 meses", conta. A criança não vai poder estar presente na cerimónia, por ser muito nova, numa regra que o lisboeta de 36 anos admite não ser fácil de cumprir. "Vai ser difícil estar longe dela", desabafa, antes de ouvir as palavras reconfortantes de Maria: "É só um dia."

A residir em Lisboa há três anos, a madeirense não acredita que vá ser "um papel" a mudar algo na vida do casal, mas não é por isso que deixa de estar entusiasmada com a boda, agendada para o próximo dia 12. O enlace vai ser oficializado apenas pelo civil, numa condição que não a entristece.

"Pela Igreja é mais bonito, mas só o facto de nos casarmos já é bom", deixa escapar, com um brilho no olhar, quase que a justificar a rapidez com que, há três anos, abandonou a terra onde nasceu. O momento de dizer o "sim" está marcado para os Paços do Concelho de Lisboa.

Exclusivos