Dois dedos de altura são um obstáculo. Marcelo foi ver como é

Circular na rua, ir a uma loja, entrar no metro. Pequenos gestos que são grandes obstáculos para muitos no dia a dia

Dois, três dedos de altura de um degrau, apenas isto - e é quanto basta para alguém que se desloca de cadeira de rodas ficar à porta, sem conseguir entrar, de um restaurante, de uma loja ou de um centro de saúde.

São estes pequenos grandes obstáculos, quase impercetíveis para muitos, que Salvador, Ricardo ou Luís experimentam todos os dias. E que esta sexta-feira, juntamente com outros membros da Associação Salvador, quiseram mostrar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, num passeio de hora e meia pela Baixa de Lisboa, entre os Restauradores e a Rua de Santa Justa. O problema da mobilidade não são só estes degraus, que uma qualquer rampa ajuda a vencer. É o acesso a estações de metro, com elevadores avariados ou inexistentes, é a calçada ou paralelepípedos irregulares, são os lugares nas salas de espetáculos.

Nos 700 metros que separam o Hard Rock Café - ponto de encontro para o teste às acessibilidades na capital - e o Elevador de Santa Justa, todos estes exemplos saíram ao caminho do Presidente da República, sempre de braço dado com a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, e dos cinco cicerones da Associação Salvador, que nas suas cadeiras de rodas mostraram como é difícil a pessoas com mobilidade reduzida fazer uma vida normal.

Marcelo Rebelo de Sousa ouve as explicações do que está mal, do que funciona e do que se pode fazer. E o professor que nunca perde o jeito repete pedagogicamente aos jornalistas: a necessidade de aplicar a lei. Aquilo que o Metropolitano de Lisboa ainda não foi capaz. Junto a uma das bocas da estação dos Restauradores, dois responsáveis da empresa aguardavam a comitiva para explicar que o Metro da capital "está acima de qualquer metro europeu ao nível de acessibilidade das suas estações".

À incredulidade dos presentes e perante o caso concreto de um jovem que não pode frequentar a universidade, por a estação não ter elevador, o diretor de clientes, Miguel Rodrigues, explicou que, de facto, as 56 estações não estão "completamente dotadas de elevadores e, portanto, com acessibilidade plena". "Temos 38, neste momento. Temos um plano até 2020 de mais seis, entre elas, a Cidade Universitária, e até 2023 de mais oito. Portanto, até 2023 teremos 52 das 56 estações com acessibilidade plena."

Marcelo lembrou que há quem se queixe das avarias constantes e Ricardo Teixeira, um dos que se desloca em cadeira de rodas, apontou-lhe o facto de a lei de 2006 ter dado dez anos para cumprimento do regime de acessibilidades. O dirigente do Metropolitano não desarmou, defendendo que "tem havido algumas exceções à própria lei, que têm permitido ao Metro apresentar este plano e ir cumprindo este plano".

E completou a sua justificação: "As obras são complexas e, portanto, não é possível fazer todas as obras necessárias num espaço de tempo muito reduzido."

"Sabe o que é que é complexo? Estar numa cadeira de rodas", atirou-lhe Ricardo Teixeira, da Associação Salvador. "Foi uma má escolha de palavra", reconheceu Miguel Rodrigues.

Ricardo Teixeira confessou ao DN que a necessidade aguçou o engenho que já existia: administrador de uma empresa de produção digital, "a frustração diária" de chegar a sítios e não poder entrar por não estarem adaptados para pessoas com mobilidade reduzida, fê-lo imaginar, juntamente com Salvador Mendes de Almeida, uma aplicação para facilitar as suas vidas. O Presidente da República gostou do que viu: "Chama-se cidadania, ser-se cidadão é isto. Olhar para problemas concretos e envolver todos na sua resolução." E Ana Sofia Antunes também elogiou a iniciativa. "É excelente. Que as pessoas fiscalizem também a aplicação da lei."

Salvador acrescentou: "Que sejam fiscais de espaços físicos, mas também de mentalidades." Afinal, recordou aquele que um dia se viu tetraplégico, depois de um acidente de mota. "Nós não sabemos se vamos parar a uma cadeira de rodas."

APP. Lugares acessíveis ou nem por isso

> Logo a abrir, a aplicação "+ Acesso para todos" diz ao que vem: "É uma ferramenta que permite a identificação de locais acessíveis e não acessíveis. Tem como objetivo principal sensibilizar a sociedade para o tema das acessibilidades." E entrando, através de um registo, podemos ver o que dizem os seus utilizadores sobre locais públicos. De lojas a museus, de restaurantes a salas de espetáculos. No recente MAAT, por exemplo, as rampas "têm um declive muito acentuado, não conferindo independência e autonomia". E Marcelo pediu para os portugueses contribuírem...

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.