Dinamismo contagia e entusiasma alunos e professores

João Paulo Vieira nasceu em Braga e é professor desde os 19 anos, tendo lecionado em várias escolas da região minhota. Licenciou-se em Arquitetura, mas o gosto pelo ensino e, sobretudo, pela astronomia contribuiu de forma decisiva para o "afastar" da arquitetura. O reconhecimento dos alunos originou a candidatura à iniciativa Professor do Ano e valeu-lhe agora o prémio mensal.

O bichinho da astronomia, conta João Paulo Vieira, terá nascido por volta dos 16 anos. "Tinha um amigo que era topógrafo e, naquela altura, ainda usava um teodolito [instrumento de medição] no seu trabalho. Muitas vezes deixava-nos observar a Lua por ele", conta. Apesar do gosto que ficou, na hora de escolher o curso universitário, João Paulo Vieira resolveu optar pelo curso que tinha mais peso. "A Arquitetura tinha um peso grande na altura e astronomia, se bem me lembro, tinha aberto nesse ano o primeiro curso", recorda o professor da Escola Secundária D. Maria II, em Braga.

No entanto, a arquitetura parecia não estar mesmo destinada a não ser a primeira ocupação deste bracarense nascido em 1971. Ainda andava a estudar quando, em resposta a alguns anúncios no jornal, começou a dar aulas. O caminho da astronomia voltou a cruzar-se no seu caminho e João Paulo Vieira recorda divertido o primeiro clube que formou, em Barcelinhos. "Juntámos entre todos 30 contos, naquela altura, e comprámos um telescópio", lembra. Depois, com os alunos, "fomos acampar e fazer observação das estrelas". Mas logo percebeu o desperdício dedinheiro "porque o telescópio não valia nada".

Logo aí começou a mostrar a sua versatilidade profissional. "Ao longo de 22 anos de carreira acho que já dei mais de trinta disciplinas diferentes", confessa João Paulo Vieira, explicando que "na área das Artes é preciso ser-se versátil". Embora recorde igualmente que, para um arquiteto, a versatilidade é algo fundamental também. "Só assim pode falarem condições com o eletricista, o picheleiro ou o carpinteiro", diz.

E versatilidade é algo que não tem mesmo faltado na vida deste docente. Para lá das funções que ocupa na escola, João Paulo Vieira é ainda membro de uma junta de freguesia de Braga, monitor regular no programa Astronomia no Verão, desde 1998, tendo coordenado diversos projetos "Ciência Viva". E é ainda autor do livro Astronomia num Minuto, além de coautor de vários artigos e publicações sobre Astronomia, Astrofísica, Ensino de Ciências e Astrofotografia.

A força dinamizadora de João Paulo Vieira é tal que, muitas vezes, nem sequer é preciso ser aluno dele para aderir às iniciativas por si promovidas. Como é o caso de Sofia Fernandes, que ingressou no Clube de Astronomia. "Ele é uma pessoa muito dinâmica, que faz os alunos terem vontade de aprender", frisa.

"Ele é um professor que está sempre a mexer, com uma enorme ambição, que aparece sempre refletida nos projetos em que se envolve." Para Vasco Grilo, diretor da Escola Secundária D. Maria II, em Braga, o professor João Paulo Vieira - distinguido como o professor do mês de abril na iniciativa do DN Professor do Ano -, é um exemplo dentro e fora da comunidade escolar. Para professores e alunos.

Para os alunos, o Clube de Astronomia e todos os projetos em que estão envolvidos, que passam por "caçar" asteroides, "são também uma forma de ajudar a crescer como pessoas e como alunos, ajudam a saber falar em público". João Paulo Vieira salienta que estes projetos "dão ferramentas e aptidões aos alunos para crescerem na sua aprendizagem".

Conceição Rodrigues, por seu turno, destaca a generosidade do professor que "diz sempre que sim a tudo o que se lhe pede, está sempre presente". "Temos todos uma boa imagem dele, é um professor que colabora com tudo o que acontece na escola", adianta esta funcionária desta escola bracarense. "É um professor que vai para além do programa, que é uma fonte de dinamização da escola, mas também da própria comunidade, através dos vários projetos em que se encontra envolvido", salienta Vasco Grilo. Para este dirigente escolar, o empenho e a forma como João Paulo Vieira cativa os alunos, ajuda a desmistificar áreas do conhecimento que, muitas vezes, podem parecer mais obscuras, mais complicadas.

"Já tivemos casos de alunos que descobriram nas suas aulas ou no Clube de Astronomia a sua vocação para as Ciências", salienta o vice-presidente da comissão instaladora do agrupamento de escolas. O impacto foi tal, assegura igualmente, "que um aluno, por exemplo, acabou por ingressar no curso superior de Física".

Mas João Paulo Vieira recusa--se a assumir os louros sozinhos. "Temos vários clubes, esta é uma escola muito dinâmica, que ganhou já diversos prémios", recorda. Por isso, admitindo a surpresa que foi saber que tinha sido candidato pelos alunos ao prémio do DN, João Paulo Vieira assegura que a distinção de Professor do Mês é "o reconhecimento também da escola pelo trabalho feito". Um reconhecimento também de toda a comunidade, pois "se não tivermos alunos motivados e professores empenhados as coisas não funcionam".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG