Despesas no SNS "apontadas" nos últimos dias "não têm qualquer rigor"

As despesas com o aborto no SNS "apontadas" nos últimos dias "não têm qualquer rigor" e 70% das mulheres que interromperam a gravidez nos hospitais do Estado em 2010 não têm rendimentos altos, esclareceu hoje a Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Numa nota enviada à comunicação social, assinada pelo director-geral da Saúde, Francisco George, lê-se que "as despesas apontadas por alguns pretensos estudos [relativas ao aborto no Serviço Nacional de Saúde] não têm qualquer rigor".

A nota prossegue sublinhando que, "aliás, trabalhadoras não qualificadas (19%), estudantes (18%), desempregadas (17%) e agricultoras, operárias e artífices (16%), que constituem a grande maioria das mulheres (70%) que optaram por uma interrupção da gravidez em 2009, não auferem, seguramente, um salário médio de mil euros, como alguns fazem crer".

Após entregar na Assembleia da República uma petição, a presidente da Federação Portuguesa pela Vida, Isilda Pegado, disse, na quarta-feira, que o Estado já gastou 100 milhões de euros com o aborto desde que foi legalizado em Portugal, há quatro anos.

A petição, com 5.700 assinaturas (são necessárias 4.000 para discussão em plenário), visa rever a regulamentação da lei do aborto, para "melhorar" o seu enquadramento.

A federação reclamou também uma avaliação do que tem acontecido desde que foi legalizado o aborto, justificando que até hoje não foi feita a reflexão prometida ao fim de dois anos. Tomou, por isso, a iniciativa de entregar um estudo ao presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, segundo o qual o aborto em Portugal é "frequente, ilegal e inseguro".

A federação citou dados da DGS, segundo os quais foram realizados 56.239 abortos desde Julho de 2007 até ao final de Agosto de 2010, mas Isilda Pegado acredita que o número real de abortos "feitos a pedido" da mulher é superior a 60 mil.

Isilda Pegado criticou depois os "milhões que o Estado está a gastar", quando retirou o abono de família a muitos agregados e aplica elevados descontos a quem fica em casa doente ou a tratar dos filhos. Segundo as contas da federação, por ano "gastar-se-á mais de 27 milhões de euros com o aborto legal" em Portugal.

A federação alega que o número de abortos tem vindo a aumentar, manifestando também "preocupação com a reincidência" e a manutenção de práticas ilegais.

Na nota hoje divulgada, a DGS esclarece que os dados referentes à interrupção da gravidez em 2010 serão apresentados no fim do primeiro trimestre de 2011.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG