Despesa vai ultrapassar o acordado com troika

A despesa com medicamentos vai ultrapassar o acordado com a troika. Presidente da associação da indústria farmacêutica diz que valor irá atingir este ano 1,13% do PIB. No memorando de entendimento ficou estabelecido que os gastos com remédios não podiam ser superiores a 1%.

"Aquele valor não é atingível e não vai ser atingido. Há valores que não são exequíveis. Nas folhas de cálculo cabem tudo, mas depois a realidade é outra coisa", afirmou João Almeida Lopes, presidente da associação da indústria farmacêutica (Apifarma).

"No final do ano a meta da despesa com medicamentos vai ser de 1,13% do PIB em termos de medicamentos em ambulatório e mio hospitalar. Valor que está em sintonia com as metas europeias", referiu o responsável.

João Almeida Lopes contesta o valor, referindo que o acordo com a troika se referia aos gastos com medicamentos em ambulatório e que foi este Governo que decidiu estender o valor à área hospitalar. "Nem se percebe porque é que a meta estaria em cima da mesa seria abaixo de todas as metas europeias".

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras