Descobre cancro grave após esperar 2 anos por exame

Emília esperou dois anos por exame médico. Nesse espaço de tempo desenvolveu cancro grave. Hospital admite tempo de espera. IGAS vai investigar.

Emília, com cerca de 60 anos, já está habituada a fazer o rastreio ao cancro colorretal. Só que, desta vez, a análise veio positiva, o que levou o médico de família a encaminhá-la para a consulta de gastrenterologia no Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), para fazer uma colonoscopia, essencial para o diagnóstico. Mas a consulta tardou. Foi um ano de espera a que se juntou outro para fazer a colonoscopia. O resultado foi devastador.

"Ao fim de dois anos, tinha cancro no intestino, grande e inoperável. Agora está a fazer quimioterapia neoadjuvante para reduzir, para ver se pode ser operada", conta o médico. A unidade admite o tempo de espera e diz que tem de triar os doentes mesmo quando a análise é positiva, por ter falta de recursos. A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) vai abrir processo de averiguação.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG