Deputado Fernando Negrão recebe carta de inspetor da PJ preso em Évora

O inspetor da PJ de Setúbal, vizinho de Sócrates na cadeia, escreveu uma carta a Fernando Negrão a expor a forma como foi detido. MP abriu inquérito por violação do segredo de justiça neste processo.

João de Sousa, inspetor da PJ de Setúbal - que está em prisão preventiva na cadeia de Évora por suspeita de corrupção numa alegada colaboração com uma rede de venda ilegal de ouro - escreveu uma carta ao presidente da primeira comissão parlamentar, dos Assuntos Constitucionais, a denunciar a forma como foi detido pelos colegas há um ano, alegando que só no fim da busca à sua casa é que lhe mostraram o mandado de detenção fora de flagrante delito. Referiu ainda na missiva que por não saber que ia ser detido, não requisitou um advogado.

A carta foi publicada na íntegra no seu blogue "Dos dois lados das grades", no dia 20 de fevereiro. Entretanto, esta semana, a Procuradoria Geral da República confirmou ao DN que foi aberto um inquérito por violação do segredo de justiça no processo de João de Sousa, depois de o seu advogado ter apresentado um requerimento nesse sentido com junção de provas.

Em declarações ao DN, o deputado Fernando Negrão referiu na segunda-feira ainda não ter recebido a carta mas depois de a ler na íntegra no blogue, garantiu: "Dentro do espírito de colaboração que deve haver, abordarei as autoridades judiciárias, como faço sempre em casos destes, de denúncia de atropelo de direitos constitucionais. Mas é preciso ter em atenção a separação de poderes".

João de Sousa decidiu escrever a carta, que publicou no seu blogue "Dos dois lados das grades" depois de a advogada do empresário Carlos Santos Silva, coarguido com Sócrates na "Operação Marquês", ter denunciado que houve arguidos detidos e alvo de buscas sem mandado nesse processo, como se tivessem sido sequestrados.

Eis o que escreveu o inspetor da PJ na carta a Fernando Negrão, que publicou no blogue: "Acompanhei os colegas, muitos com "passo militar", ainda que constrangidos, "buscaram-me" a casa, nada encontraram e, no final, só nessa altura, facultaram-me cópia do mandado de detenção fora de flagrante delito. Estive, voluntariamente diga-se, a colaborar com os meus colegas, porque eram "os meus colegas" e porque sempre pensei que iria ao meu departamento, onde esclareceriam o que se estava a passar, onde eu poderia esclarecer o que me fosse imputado. Nada disso. Com recurso a ludíbrio fácil, somente após revolverem-me a casa comunicaram-me que estava detido!". "Podia ter solicitado a presença de um advogado, mas não, sem saber que iria ser detido, falei, colaborei, facilitei. Se soubesse que ia ser detido não o fazia? Claro que sim, mas o que está em causa é o laxismo, o desrespeito pelo outro, pelos direitos do outro".

O advogado de João de Sousa, Santos de Oliveira, adiantou ao DN que deu conhecimento pessoal ao procurador de Almada "há mais de nove meses" da violação do segredo de justiça no processo em que João de Sousa é acusado de vários crimes, entre os quais corrupção e branqueamento de capitais. "Só foi aberto inquérito na semana passada quando peguei nas provas da violação do segredo e apresentei requerimento ao MP".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.