Demissão de Manuel Pinho marca Estado da Nação

José Sócrates foi ontem obrigado a demitir o seu sempre polémico ministro da Economia, Manuel Pinho, e pela pior das razões. Este decidiu fazer o gesto de uns cornos em resposta a um aparte parlamentar do PCP e a imagem correu rapidamente na Internet precipitando a demissão numa altura em que o PS e o primeiro-ministro estão fragilizados no pós-europeias

"Em nome do Governo peço desculpa ao Parlamento" assumiu ontem José Sócrates no final do debate do Estado da Nação depois de considerar "injustificável o facto  do ministro da Economia, Manuel Pinho, ter feito no plenário  o gesto  de uns cornos respondendo dessa forma a um à parte do líder parlamentar do PCP sobre as minas de Aljustrel.  Escassos minutos após o pedido de desculpas formais o primeiro-ministro dizia aos jornalistas que o aguardavam nos Passos Perdidos que tinha decidido durante o próprio debate substituir Manuel Pinho na pasta da Economia, passando esta a ser assumida pelo ministro de Estado e das Finanças até ao final da legislatura". O "filme" do incidente que levou à demissão de  Pinho começou quando nada o faria esperar, precisamente quando o líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, questionava  Sócrates sobre a situação nas Minas de Aljustrel, unidade para a qual o titular da Economia e  Vital Moreira prometeram  a criação de emprego. Durante a intervenção de Louçã e num tradicional à parte parlamentar  Bernardino Soares,  do PCP,  lembrou ao ministro o episódio  deste ter ido a Aljustrel entregar ao clube de futebol local um cheque de cinco mil euros "passado" pela EDP.  Inexplicavelmente o verniz de  Pinho estalou com o ministro a evocar na arena política gestos próprio de outras arenas.

Bernardino Soares de imediato utiliza o telefone interno para junto do Ministro dos Assuntos Parlamentares,  a exigir um pedido de desculpas. Visivelmente perplexo Santos Silva senta-se ao lado de Manuel Pinho na bancada do Executivo e pouco depois  assumia aos jornalistas ter pedido em nome do Governo desculpas ao deputado comunista. "Agradeço a compreensão e a colaboração do líder parlamentar do PCP", adiantava Santos Silva  considerando a atitude de  Pinho  infeliz e injustificável.

Pouco depois, Manuel Pinho vem até aos Passos Perdidos e confrontado pelos jornalistas  reconhece que "se excedeu  e pede desculpas" justificando a sua atitude pelo facto de "o governo tentar safar empregos e estar a ouvir acusações da oposição". Questionado  sobre se tinha hipóteses de continuar no executivo   disse "não  existir qualquer razão para sair.  Pouco depois o ministro  regressou ao plenário  mas instantes depois foi chamado à sala de apoio ao governo.  Quando Manuel Pinho saiu dessa sala "escoltado" por Silva Pereira, ministro da Presidência e  Santos Silva para se dirigir às instalações do ministro dos Assuntos Parlamentares os rumores de que a demissão estava iminente avolumaram-se.  Meia hora depois os titulares  da presidência e dos Assuntos parlamentares regressaram ao hemiciclo. A cadeira de Pinho passou a ser ocupada pelo seu secretário de Estado Fernando Serrasqueiro.  A demissão estava consumada.   Horas depois, na SIC, dizia ter decidido demitir-se depois de ligar à mulher que tinha ficado "muito feliz". Saiu elogiando "o apoio" de  Sócrates e disse  ir para férias.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...