Dados sobre despesas de Saúde revelam "desinvestimento"

A despesa global em saúde aumentou 3% em 2017, equivalente a 17,3 mil milhões de euros, representando uma redução em relação a 2015 (3,3%) e 2016 (4,4%), referem os dados do INE

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considerou que os dados divulgados hoje na Conta Satélite da Saúde Estatística retratam "o desinvestimento na saúde em Portugal" e "o agravamento das despesas suportadas pelas famílias".

A despesa global em saúde aumentou 3% em 2017, equivalente a 17,3 mil milhões de euros, representando uma redução em relação a 2015 (3,3%) e 2016 (4,4%), referem os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), segundo os quais a despesa dos portugueses com a saúde subiu 4,5% em 2016, em especial no recurso ao setor privado.

Aquilo que é a essência do Serviço Nacional de Saúde está claramente a ser afetado naquilo que é o seu código genético, os seus objetivos primordiais, que é ser um serviço universal, tendencialmente gratuito, e equitativo para todos os portugueses

"O que a Conta Satélite revela é que o desinvestimento na saúde continua a agravar-se, porque o Orçamento do Estado para a saúde cobre cada menos as despesas globais em saúde do país e os portugueses, tal como o relatório deixa claro, nos últimos anos, 2017 ainda vai ser avaliado, gastam cada vez mais diretamente do seu bolso ou através de seguros na saúde", disse Miguel Guimarães à agência Lusa.

Portanto, vincou, "aquilo que é a essência do Serviço Nacional de Saúde está claramente a ser afetado naquilo que é o seu código genético, os seus objetivos primordiais, que é ser um serviço universal, tendencialmente gratuito, e equitativo para todos os portugueses".

Miguel Guimarães considerou que, neste momento, não se conseguem cumprir estes objetivos e advertiu que se nada for feito "entre este e o próximo ano a situação vai de tal maneira agravar-se" que a despesa global em saúde vai depender em mais de 50% diretamente dos bolsos dos portugueses e menos de 50% do orçamente do Estado.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, o Governo "não pode continuar a ter objetivos puramente economicistas no sentido de reduzir o défice e ter uma imagem externa mais forte"

"A tendência cai nesse sentido", disse, considerando que estes dados significam "uma chamada de atenção para o Governo" que tem que "valorizar mais a saúde das pessoas".

Para o bastonário, o Governo "não pode continuar a ter objetivos puramente economicistas no sentido de reduzir o défice e ter uma imagem externa mais forte".

"Eu sei que isso é importante, mas não podemos apostar tudo numa área e desvalorizar completamente as outras", que é o que está a acontecer na Saúde, Educação e Justiça que precisam claramente e com urgência de mais investimento, defendeu.

A despesa com Saúde aumentou 3% em 2017, o que significa uma redução em relação aos dois anos anteriores, tendo atingido os 17,3 milhões de euros, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os portugueses gastaram sobretudo nos prestadores privados (40,8% em prestadores de cuidados de saúde em ambulatório e 14,3% em hospitais), em farmácias (24%) e nas outras vendas de bens médicos (10,3%).

Em 2015, as famílias suportavam já 27,7% do total de despesa em Saúde, acima da média da União Europeia, que se situava nos 15,3%.

Para Miguel Guimarães, esta tendência tem de ser contrariada, esperando que as estimativas preliminares do INE para uma desaceleração das despesas familiares em 2017 se confirmem.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG