Costa elogia discurso "justo, tranquilizador e motivador" de Marcelo

Sobre as acusações de Paula Teixeira da Cruz à maioria de esquerda, Costa disse apenas: "não ouvi"

O primeiro-ministro elogiou hoje o discurso do Presidente da República na sessão comemorativa do 25 de Abril no parlamento, considerando que foi "justo" em relação ao passado, "tranquilizador" face ao presente e "motivador" para o futuro.

António Costa falava aos jornalistas na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, que hoje, para assinalar os 42 anos da revolução de 25 de Abril de 1974, está de portas abertas ao público até às 19:30.

Interrogado sobre o discurso proferido pelo Presidente da República na Assembleia da República, o líder do executivo disse que Marcelo Rebelo de Sousa "foi rigoroso e justo com o trabalho extraordinário que o país fez nos últimos 40 anos para vencer um legado muito grande de atraso que a ditadura tinha deixado" a Portugal.

"Acho que o discurso do Presidente da República foi muito tranquilizador sobre o presente, mas foi também muito motivador em relação ao futuro. Como há pouco me dizia uma senhora, convém não esquecer que há muitos milhares de pessoas que têm como principal preocupação o desemprego - e isso deve-nos motivar a trabalhar para vencer esse desafio", declarou o primeiro-ministro.

Já quando foi questionado sobre como encarou o discurso proferido no parlamento pela ex-ministra da Justiça e deputada do PSD Paula Teixeira da Cruz, com duras acusações à atual maioria de esquerda, António Costa deu a seguinte resposta: "Essa parte não ouvi".

Sobre os apelos à unidade feitos pelo chefe de Estado, o primeiro-ministro referiu que o atual regime democrático "é em si um enorme consenso".

Tendo ao seu lado o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, o primeiro-ministro defendeu que a democracia é "o regime do diálogo permanente".

De seguida, o primeiro-ministro fez uma referência ao processo de formação do atual executivo, que é suportado no parlamento pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda.

"Depois das últimas eleições legislativas, demonstrou-se que há mais oportunidades de diálogo do que muita gente imaginou durante muito tempo. Isso permite soluções novas e resposta novas", sustentou.

Para António Costa, para futuro, "não se pode desistir de travar a batalha que há para travar e que é a continuação do 25 de Abril de 1974. Temos de ter cada vez uma melhor democracia, mais desenvolvimento e maior igualdade para todos".

Antes de sair para o Palácio de Belém, o primeiro-ministro e o presidente da Câmara de Lisboa ainda assistiram à atuação do guitarrista Pedro Joia nos jardins de São Bento.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.