Costa: "É como deitar abaixo o resto do muro de Berlim"

Socialista diz que governo de esquerda respeitará acordos europeus. "PS é o partido mais pró-europeu em Portugal."

É mais uma lança dirigida aos mercados e investidores. António Costa voltou esta quarta-feira, agora nas páginas do Financial Times, provavelmente o jornal mais influente do mundo para decisores económicos, a defender que um eventual governo de esquerda em Portugal respeitará os acordos internacionais e os compromissos europeus.

Depois de ter falado na terça-feira à Reuters e à AFP, o secretário-geral socialista garantiu ao correspondente do jornal em Lisboa que a existir uma coligação de esquerda esta estará comprometida com a zona euro. "É como se estivéssemos a deitar abaixo o resto do muro de Berlim. O PS não se mudou para o lado dos anti-europeístas, eles é que concordaram em negociar um programa de Governo comum sem pôr em causa os compromissos de Portugal como um membro ativo da zona euro."

"O PS é o partido mais pró-europeu em Portugal", segundo Costa, e "perante o radicalismo do atual governo [do PSD/CDS] e as brutais medidas que o país sofreu, existe agora a possibilidade de fazer recuar a austeridade sem colocar em causa as nossas obrigações internacionais".

Para o líder socialista, as negociações têm corrido melhor com a esquerda (BE e PCP) do que com a coligação de direita, como os próprios deram conta ontem no final da reunião mantida entre o PS e PSD/CDS. António Costa é taxativo: "As mesmas propostas da direita adocicadas com algumas medidas do PS não representam uma mudança de direção."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG