Correia de Campos denuncia "falsidade" de relatório

O antigo ministro da Saúde Correia de Campos disse hoje que o relatório do FMI tem "uma enorme falsidade" quando refere que os gastos da saúde em Portugal têm vindo "a crescer desmesuradamente".

"Não vale a pena irem buscar as estatísticas que convêm para justificar uma ideologia e os pontos de vista neoliberais", afirmou, criticando o Fundo Monetário Internacional.

O antigo ministro intervinha, no sábado à noite, num fórum sobre a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), promovido em Paços de Ferreira pela Federação Distrital do Porto do PS.

Para o orador, "cada dia se vai descobrindo que [o documento] funcionou apenas como encomenda de um mandante, o Governo português".

Falando perante cerca de 150 militantes e simpatizantes socialistas, Correia de Campos disse ser "falso" que a estimativa de crescimento das despesas na área da saúde, para o período de 2020 a 2030, seja de 4,5 %, frisando ser "uma afirmação [do FMI] apenas para meter medo".

O antigo ministro lembrou que há vários indicadores que rebatem os argumentos do relatório, nomeadamente o que diz que os países europeus da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) conseguiram controlar as despesas de saúde na última década.

"Portugal tem um registo admirável, com 1,5 % de crescimento anual durante os últimos 10 anos", insistiu.

Correia de Campos defendeu que "o SNS não deve ser destruído, mas pode ser reformado".

"O SNS é reformável e modificável. Pode ser tornado mais eficiente, podem ser identificados os seus desperdícios, mas não pode ser desfigurado", considerou.

Para o ex-governante, o Serviço Nacional de Saúde "é uma das jóias da nossa democracia e, como tal, devemos saber preservá-lo".

Por isso, acrescentou, um "pacote mínimo de cuidados, num país que tem um SNS, é passar de cavalo para burro" e "viola o princípio da universalidade".

Para Correia de Campos, "o setor privado [na área da saúde] tem todo o direito de existir, mas não tem o direito, nem a Constituição o permite, que prevaleça sobre o setor público".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG