FNE: Contratação de 250 funcionários é "reforço significativo", mas insuficiente

"Esta medida é positiva porque é indispensável, mas é tardia porque não vai resolver os problemas logo no início do ano letivo", defende o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva

O secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE) classificou esta segunda-feira como "reforço significativo" a contratação de 250 funcionários não-docentes para as escolas, embora o considere "tardio e insuficiente".

O Ministério da Educação anunciou hoje a contratação de mais 250 assistentes operacionais para as escolas, um reforço que visa "responder a necessidades prementes indicadas pelos estabelecimentos de ensino" para o próximo ano letivo.

Cabe agora aos estabelecimentos de ensino lançar os concursos para a sua contratação, informou o Ministério da Educação em comunicado.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, considerou a medida positiva, mas tardia e "insuficiente, porque as necessidades das escolas são muito maiores".

"Esta medida é positiva porque é indispensável, mas é tardia porque não vai resolver os problemas logo no início do ano letivo", uma vez que "os processos de contratação são demorados" e têm de ser desenvolvidos pelas escolas, explicou.

Também "é insuficiente" porque seriam necessários 2.000 funcionários e,"ainda não dá uma resposta definitiva a outros tipos de necessidades que surgem nas escolas e que deveriam ser superadas através de bolsas de trabalhadores", defendeu João Dias da Silva.

Segundo o dirigente da FNE, estas bolsas de trabalhadores iriam permitir substituir os funcionários que têm de faltar por diversas razões.

"São tão poucos os que existem nas escolas que a insuficiência traz sempre dificuldades ao funcionamento das escolas", frisou.

A contratação de mais assistentes operacionais era uma reivindicação de diretores e sindicatos, que, ao longo do último ano letivo, promoveram manifestações e greves, tendo por base essa exigência.

O ministério afirma, no comunicado, que "está, neste momento, em fase de conclusão a revisão da portaria do rácio de alunos por assistente operacional - uma vontade há muito manifestada pelas escolas - com a qual o atual Governo se empenhou".

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, já tinha garantido em maio, no parlamento, que haveria no próximo ano letivo um reforço do número de assistentes operacionais nas escolas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG