Conselho de Estado congratula-se com eleição de Guterres

Após cinco horas e meia de reunião, o Conselho de Estado emitiu uma curta nota manifestado o "orgulho e júbilo nacional" pela eleição de António Guterres como secretário-geral da ONU.

Na nota, emitida no final de uma reunião que se iniciou pelas 15.00 e terminou pelas 20.30, os trabalhos são resumidos em dois parágrafos e 750 carateres ao todo.

No primeiro parágrafo, lê-se que "o Conselho de Estado, reunido sob a presidência de Sua Excelência o Presidente da República, hoje, dia 20 de dezembro de 2016, no Palácio de Belém, analisou o futuro da Europa, num contexto de incerteza e desafios para a própria Europa e para o Mundo".

E no segundo que "manifestou ao Senhor Engenheiro António Guterres o júbilo e o orgulho nacional pela sua eleição, por aclamação, como Secretário-Geral das Nações Unidas", dizendo ainda que o seu "mandato irá ocorrer num contexto internacional muito complexo e exigente". A Guterres é reconhecido "o enorme contributo que pode dar no desempenho do alto cargo pelas suas elevadas qualidades intelectuais e humanas e pelo profundo empenho que sempre coloca nas missões que abraço".

Faltaram à reunião, por razões de saúde, os ex-Presidentes da República Mário Soares e Ramalho Eanes. O neurologista António Damásio irá substituir Guterres mas ainda não tomou posse.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.