Trabalhadores do Infarmed vão ser ouvidos na AR sobre mudança da sede

A comissão que representa os funcionários pretende mostrar algumas contradições que terão sido manifestadas pelo Ministério da Saúde

A comissão de trabalhadores do Infarmed vai ser ouvida na comissão parlamentar de Saúde para prestar esclarecimentos sobre a decisão de transferência da sede do organismo para o Porto.

Uma nota da comissão de trabalhadores da Autoridade do Medicamento -- Infarmed enviada à agência Lusa, refere que os representantes dos funcionários se congratulam com "a iniciativa de que irá ser requerida a sua presença para esclarecimentos à comissão de saúde".

O ministro da Saúde foi ouvido esta quarta-feira em comissão parlamentar sobre a decisão do Governo de transferir para o Porto a sede do Infarmed, uma decisão que teve a discordância da maioria dos trabalhadores da instituição, que afirmaram que recusam deslocar-se.

A comissão de trabalhadores diz ainda que na comissão parlamentar de saúde pretende mostrar algumas contradições manifestadas pelo Ministério da Saúde: "Esta será uma oportunidade para esclarecer os senhores deputados sobre algumas informações prestadas pelo senhor ministro da Saúde, que contradizem a informação por ele prestada aos representantes dos trabalhadores do Infarmed no decorrer da reunião realizada no Ministério da Saúde a 11 de dezembro".

O anúncio de que a sede da Autoridade Nacional do Medicamento sairia de Lisboa para o Porto foi feito pelo ministro Adalberto Campos Fernandes a 21 de novembro durante uma conferência em Lisboa e apanhou de surpresa os trabalhadores da instituição.

O anúncio foi feito um dia depois de se saber que o Porto não foi a cidade escolhida para receber a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA).

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.