Comissão de Saúde debate hoje estudo sobre hipertensão

A Sociedade Portuguesa de Hipertensão apresenta hoje na Comissão de Saúde os resultados de um estudo, segundo o qual 42,2% da população é hipertensa e um quarto dos doentes continua por tratar.

O estudo foi divulgado no início de março no 7.º Congresso Português de Hipertensão e Risco Cardiovascular Global, em Vilamoura e teve como objetivo atualizar os dados sobre a prevalência e grau de controlo da Prevalência da Hipertensão Arterial no país e a relação destes dados com o consumo de sal dos portugueses.

Hoje, o presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH), Fernando Pinto, irá expor aos deputados da Comissão de Saúde os dados revelados no estudo PHYSA -- Portuguese Hypertension and Salt Study. Segundo o estudo, 42,6% das pessoas com hipertensão têm a doença controlada, ou seja, quatro vezes mais do que o verificado no último trabalho realizado em 2003.

Embora a prevalência da doença continue elevada em Portugal (42,2%) e um quarto dos doentes continue por tratar, quando comparados os dados deste estudo com o realizado em 2003, é claro o aumento de conhecimento da doença, assim como a quantidade de doentes tratados e controlados.

A percentagem de doentes em tratamento aumentou dos 38,9% para os 74,9%, da mesma forma que os doentes com a doença controlada quadruplicaram, passando dos 11,2% para os 42,6%, refere o estudo.

Se se subdividir estes dados por faixas etárias verifica-se que, contrariamente ao que seria suposto, a população com menos de 35 anos - ou seja, a população ativa - é a que menos sabe sobre a doença, a menos tratada e que tem a doença menos controlada.

Por outro lado, os portugueses na faixa etária com mais de 65 anos são os que mais conhecem, mais estão em tratamento e, por consequência, têm a doença melhor controlada.

No entanto, é faixa etária em que a doença é mais prevalente e onde existem mais comorbilidades (doenças associadas).

A amostra do estudo foi constituída por 3.720 pessoas, estratificadas por sexo, grupo etário e região, representativas da realidade nacional, conforme o último Census.

Os especialistas alertam a população para a importância da adoção de estilos de vida saudável, principalmente as pessoas com hipertensão, que devem incluir na sua rotina medidas como uma alimentação equilibrada, exercício físico regular, evitar o álcool e o tabaco, além do tratamento farmacológico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG