Coimbra de sobreaviso para inundações do Mondego

Autarquia e os Serviços Municipais de Proteção Civil de Coimbra alertam para a necessidade de tomar medidas de precaução

A Câmara de Coimbra colocou hoje de sobreaviso a população do concelho, alertando para a subida das águas do Mondego, depois de um dia em que o rio cortou estradas, inundou edifícios e ameaçou povoações.

Ao cair da noite, a autarquia e os Serviços Municipais de Proteção Civil de Coimbra divulgaram um comunicado em que "alertam as populações residentes ou com instalações situadas em zonas ribeirinhas ou com possibilidade de cheia/inundação para que, no mais curto espaço de tempo, adotem medidas tendentes a minimizar estragos e se coloquem em posições seguras, desde logo a si próprias, bem como animais e bens que possam sofrer danos".

As autoridades municipais de proteção civil vaticinam "que nas próximas horas se verifique um aumento do caudal dos rios Mondego e Ceira, bem como de outras linhas de água" e aconselham as populações ribeirinhas a contatarem o 112 em caso de emergência.

Ao longo do dia de hoje o mau tempo fez-se sentir em toda a Região Centro, especialmente na zona da bacia do Mondego, com o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha a ser de novo inundado pelas águas do Mondego, que submergiram também as esplanadas do Parque Verde e ameaçaram a localidade de Cabouco.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra, registaram-se ao longo de dia mais de duas centenas de incidentes relacionados com o mau tempo, embora sem grande gravidade.

Na EM517, junto a Barril do Alva e em Santa Ovaia (Oliveira do Hospital) a circulação automóvel esteve limitada durante todo o dia devido a deslizamentos de terras.

Ao início da noite, a EN341 encontrava-se parcialmente submersa em Formoselha (Montemor-o-Velho), o mesmo sucedendo com a estrada principal Poço-Condeixa-a-Nova, e com a estrada municipal em Belide, mas não há registo de qualquer povoação isolada, havendo rotas alternativas devidamente assinaladas.

Na cidade de Coimbra, o rio voltou também a inundar as esplanadas do Parque Verde, que há um mês tinham sido praticamente destruídas pelo temporal, e provocou estragos na margem contrária, na chamada Praça da Canção.

O Mosteiro de Santa Clara voltou a ser inundado pelas águas do Mondego e companhia de Sapadores Bombeiros registou diversos casos de inundações em garagens.

No distrito de Viseu, o deslizamento de um "talude com dimensões significativas" obrigou ao corte da circulação na EN222, ao quilómetro 70. A Infraestruturas de Portugal já avisou que "devido às condições climatéricas" a estrada só será reparada na próxima semana, estando devidamente assinalado um percurso alternativo.

Ainda por causa do mau tempo, a circulação de comboios na linha da Beira Alta foi suspensa durante a manhã entre Mortágua e Pampilhosa, devido à inundação do túnel de Trezói, não havendo ainda uma previsão para a sua reabertura.

A CP está a assegurar um transporte alternativo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG