Cinquenta e sete por cento do continente em seca extrema

Mais de metade de Portugal Continental continua em situação de seca meteorológica extrema (57 por cento) e os restantes 41 por cento em seca severa, segundo dados revelados hoje pelo Instituto de Meteorologia (IM).

De acordo com o relatório quinzenal hoje divulgado, o IM afirma que "para esta situação contribuiu a ocorrência de precipitação em quantidade inferior à média".

Os números hoje revelados representam um ligeiro aumento face a 15 de março. Na altura, a seca extrema já atingia 53 por cento do território continental, enquanto a severa atingia 47 por cento.

No entanto, o IM frisa que se verificou um "desagravamento das condições de severidade da seca na região sul, região onde a precipitação registada se aproximou dos valores médios".

O índice utilizado para medir a dimensão da seca tem nove níveis, que variam entre chuva extrema e seca extrema. Antes da seca extrema há a severa, a moderada e fraca.

Por outro lado, no final de março verificou-se um aumento do volume de água armazenado em duas bacias hidrográficas e uma descida em dez, quando comparado com o mês anterior, segundo dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

Das 57 albufeiras monitorizadas, 16 apresentam disponibilidades hídricas superiores a 80 por cento do volume total e sete têm disponibilidades inferiores a 40 por cento do volume total.

No entanto, os armazenamentos de março de 2012 por bacia hidrográfica são inferiores às médias de armazenamento registadas de março de 1990/91 a 2010/11, exceto nas bacias do Mondego, Ribeiras do Oeste e Mira, indica o SNIRH.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG