"Chamarem-nos jovens é uma forma de menorizar"

(COM VÍDEO) Joana Manuel, atriz, de 36 anos, foi convidada a falar em nome dos jovens numa conferência e a sua recusa em aceitar esse rótulo tornou-se um dos vídeos virais na Internet.

"Ser jovem é vital, mas é estar sempre em potência e nunca chegar a lado nenhum." Joana Manuel, de 36 anos, foi convidada na qualidade de "jovem" para falar na Conferência Nacional em Defesa de um Portugal Soberano e Desenvolvido, no final de fevereiro, e o seu discurso contra a precariedade e juventude tardia acabou por tornar-se viral nas redes socais.

Veja o vídeo da intervenção de Joana Manuel:

"Mais atordoada do que surpreendida" é assim que a atriz, que recusa o adjetivo de jovem, reage aos elogios e à forma como o vídeo do seu discurso tem sido partilhado. "Quando fiz o discurso tive a sensação de que embora estivesse a falar por mim não era só por mim, já que a minha história é igual a tantas outras." Na conferência, Joana deu "voz a uma coisa que já tinha percebido" e que se resume à forma como a juventude se alargou. "O meu pai tinha a minha idade quando nasci e desde os 10 anos que era um homem feito. Hoje em dia tenho a sensação de que chamarem-nos jovens é uma forma de nos menorizar. Estamos sempre perante a possibilidade de um futuro brilhante e a olhar para um passado que podia ter sido brilhante. Não temos presente."

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.