CGTP convoca "grandes manifestações" para pressionar Governo

Arménio Carlos anunciou caderno reivindicativo da central sindical tendo em conta já o próximo Orçamento do Estado

A CGTP convocou esta segunda-feira para dia 3 de junho "duas grandes manifestações" em Lisboa e no Porto subordinadas ao tema "unidos pela valorização do trabalho e dos trabalhadores".

O anúncio foi feito pelo líder da central sindical, Arménio Carlos, ao encerrar na Alameda, em Lisboa, mais um desfile da CGTP de celebração do 1.º de maio, dia do trabalhador.

Arménio Carlos anunciou o caderno reivindicativo da central sindical tendo em conta já o próximo Orçamento do Estado: que "assegure a progressão das carreiras, reponha o vínculo de nomeação e force a subida dos salários dos trabalhadores da Administração Pública".

Falando do Governo do PS, o líder da CGTP assumiu a "consciência que não se pode solucionar num mês aquilo que foi corroído e destruído ao longo de décadas e, em particular, nos últimos anos".

Contudo, acrescentou: "Não aceitamos que um ano e meio depois do Governo ter iniciado funções, não se tenham atacado os problemas que estão na origem das desigualdades e da pobreza laboral."

Assim, "é preciso ir mais longe". "É preciso intensificar a luta em cada local de trabalho, empresa e setor, desenvolver a ação reivindicativa, na defesa dos interesses da classe dos trabalhadores, no confronto com o capital."

A manifestação iniciou-se como habitualmente no Martim Moniz, seguida de um desfile até à Alameda D. Afonso Henriques, que juntou alguns milhares de pessoas. E terminou com Arménio Carlos citando Che Guevara: "Sonha e serás livre de espírito. Luta e serás livre na vida!" Seguiu-se o hino da Intersindical, depois A Internacional e por último A Portuguesa. Pelas 17.45, os manifestantes desmobilizaram.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras