Cerca de 160 militares dos Comandos em prontidão a aguardar partida para missão da ONU

Os militares do regimento de Comandos do Exército serão destacados para a República Centro Africana no âmbito da missão da ONU naquele país, em ambiente "hostil e de grande perigosidade"

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas afirmou esta terça-feira que o batalhão do regimento de Comandos que irá para a República Centro Africana está pronto para partir, aguardando que se resolvam questões logísticas que não dependem do ramo.

"Todo o aprontamento está feito. Neste momento faltam esclarecer outros assuntos de âmbito logístico no teatro de operações. Presumo que se torne necessário mais um reconhecimento no teatro mas eu penso que são problemas mais de âmbito logístico", afirmou Rovisco Duarte.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas falava aos jornalistas no final de uma visita dos deputados da comissão parlamentar de Defesa Nacional ao regimento de Comandos, na Carregueira, Sintra.

Cerca de 160 efetivos do regimento de Comandos do Exército serão destacados para a República Centro Africana (RCA) no âmbito da missão da ONU naquele país, em ambiente "hostil e de grande perigosidade" segundo assinalou o presidente da comissão parlamentar de Defesa, Marco António Costa.

O deputado manifestou a "solidariedade e o apoio incondicional" ao trabalho dos militares que irão desempenhar na missão na RCA, destacando ainda o "alto grau" de exigência do treino não só ao nível da preparação física mas também da "robustez psicológica".

Os deputados visitaram uma exposição estática dos meios, incluindo viaturas, armamento e fardamento, que equipam o batalhão de Comandos, "o melhor que existe no mercado" e sempre "adequado ao teatro de operações", segundo o general Rovisco Duarte.

No campo de treino, os deputados assistiram a três exercícios, um deles com a demonstração de combate corpo a corpo com recurso a técnicas de defesa pessoal denominadas Krav Maga, um conceito desenvolvido pelas forças armadas de Israel, segundo foi explicado.

Através de um protocolo com a Federação Portuguesa de Krav Maga, os Comandos estão a adaptar as técnicas usadas nesta modalidade para ambiente militar.

"Surpresa, agressividade, elevado potencial de fogo e rápida execução" são as características das missões dos Comandos, descreveu o capitão Faro, o segundo comandante do batalhão que irá para a RCA, e que foram a base de um outro exercício com fogo real.

Nesta simulação, que terminou com sucesso, os militares, divididos em três grupos, portugueses tinham como missão capturar o chefe de um "grupo insurgente" durante uma reunião e posteriormente desarmar o grupo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.