Centros comerciais preferem mais velhos

Está nos centros comerciais com as crianças, na rua a promover produtos e nos eventos das empresas a animar festas. O Pai Natal continua a ser figura indispensável nos ambientes natalícios. Há personagens para todos os gostos e acções e orçamentos que vão dos 50 aos 400 euros por dia. A sua credibilidade é tanto maior quanto mais verdadeira for a barba e a barriga e mais meiga a voz.

Os homens mais velhos são os mais procurados para os centros comerciais e para cativar as crianças. Encarnam melhor a personagem, vestem fatos elaborados, com barbas que custam até 250 euros, e estão enquadrados num cenário natalício, onde há trenós e renas. Numa temporada podem receber 1500 a 2000 euros. Os truques para não assustar os mais novos passam por evitar a voz grossa, os movimentos bruscos, e por prestar pouca atenção à criança inicialmente para que não se sinta ameaçada.

Nas festas corporativas, a personagem é normalmente chamada a distribuir presentes e a animar o ambiente, não necessitando de muita interacção. Por vezes, vai acompanhado de mães natais, que o auxiliam na sua tarefa. Se o objectivo é dar nas vistas, estas podem ser modelos e ter uma remuneração de 150 a 300 euros. Aqui tudo é contratualizado, desde o horário do trabalho à indumentária. Maquilhagem e cabeleireiro são custos extras a ser suportados pela empresa que contrata o serviço. Em tempo de contenção, muitas empresas optam por pedir a um colaborador mais ousado para assumir este papel.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.