Venda do estádio adiada para cumprir "formalismos legais"

A Câmara de Leiria anunciou hoje o adiamento da venda do estádio de Leiria, um dos palcos do Euro 2004, cuja hasta pública estava marcada para 22 de Setembro.

Em causa estão "formalismos legais", alega a autarquia em comunicado.

A decisão prende-se com o facto da ata da Assembleia Municipal de Leiria, que autorizou a venda, só ser aprovada e assinada na próxima sessão que se realiza a 30 de Setembro, pelo que a hasta pública só pode ser realizada após essa data.

O município pede 63 milhões de euros por um lote que junta três de quatro fracções do estádio: o campo desportivo e as bancadas, assim como outras duas fracções, o topo norte e o respectivo estacionamento.

Não existindo interessados no estádio, a autarquia permite a alienação de um segundo lote avaliado em 24 milhões de euros: o topo norte (área inacabada do estádio) e o parque de estacionamento, de 450 lugares.

De fora fica uma quarta fracção destinada a reinstalar o centro associativo, um espaço de dois mil metros quadrados situados no topo norte.

O presidente da Câmara de Leiria já admitira à agência Lusa, a 07 de Julho, que a alienação não permitirá à autarquia encaixar dinheiro, tanto mais que a construção do estádio e os arranjos envolventes ultrapassaram os 100 milhões de euros.

Raul Castro explicou que a verba a encaixar servirá para pagar empréstimos contraídos para a construção do estádio, não excluindo a possibilidade de devolver verbas de financiamento comunitário.

"Isso não é relevante, o que queremos é eliminar a maior razão do sufoco financeiro do município", disse então o autarca independente eleito pelo PS.

A oposição PSD votou contra a proposta de regulamento da hasta pública que possibilita a venda do estádio.

Os vereadores do PSD criticam a "inexistência de uma avaliação que suporte os valores apresentados" e "de um estudo que fundamente e analise o impacto que terá [a sua venda] na cidade".

Entre diversos pontos, os social-democratas defendem que faltam deliberações de órgãos, análise do impacto financeiro da operação e autorizações que viabilizem o negócio.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG