"Queremos criar uma marca com valor"

Como surgiu o interesse por esta vertente da cerâmica?

De início não havia um interesse em si, são elementos que fazem parte de momentos de paródia e sátira. E uma museóloga especializada em património como eu não pode ter preconceitos por um elemento cultural que o Estado assumiu.

Para já, a Tesouros Verdadeiros venderá os produtos no atelier ou em eventos. Estão disponíveis para expor em lojas?

Se surgirem comerciantes interessados na nossa marca, estaremos disponíveis a vendê- -la. O que queremos é criar uma marca com valor. O mesmo se passa com a formação, em que tudo faremos para sermos uma entidade certificada pelo Ins-tituto do Emprego e Formação Profissional.

A cerâmica é uma paixão recente, mas tem outra bem mais antiga, a das marionetas. Como surgiu?

Sempre trabalhei em museus. Estive nove anos no Museu dos Coches e quando cheguei ao José Malhoa, em 1983, pediram--me formação em marionetas. Desde então tenho realizado projectos com escolas de teatro, jovens, idosos e reclusos.

Voltar a trabalhar com reclusos, mas desta vez no âmbito da cerâmica, é uma possibilidade?

Gostei muito de trabalhar com reclusos. É sem dúvida uma actividade a propor à associação e quem sabe começar por dar formação ao estabelecimento prisional das Caldas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG