População ameaça padre por causa de banda filarmónica

As forças policiais tiveram que ser chamadas para acalmar os ânimos no final da missa do passado domingo, em Lapas, Torres Novas, por alguns populares terem proferido ameaças contra o pároco local.

Na origem da revolta está uma carta enviada pela Igreja à Sociedade Musical União e Trabalho de Lapas, dando um prazo de 30 dias para esta entregar a chave do edifício ocupado há anos pela banda de música, disse à Lusa o presidente da direcção da associação, João Nuno Borga.

António Cândido, pró vigário geral e administrador da Diocese de Santarém, disse à Lusa que a Igreja tem procurado o diálogo com a direcção da sociedade e que a carta apenas visou "forçar" um entendimento. Segundo disse, o edifício foi doado inicialmente ao Montepio, ficando expresso que, em caso de extinção deste, passaria para a Irmandade e, extinta esta, para a Igreja, o que acabou por acontecer em 2010.

"Só queremos fazer um documento que legalize a situação e protocolar a utilização do espaço pela banda", afirmou, sublinhando que a Igreja precisa do primeiro andar do edifício para realizar actividades como a catequese, não tendo nada a opor à permanência da banda no rés do chão e à utilização do piso de cima para actividades pontuais, como reuniões.

João Borga disse à Lusa que, perante o tom "ameaçador" da carta, se torna mais difícil o diálogo, embora acredite que tudo acabará por se "resolver a bem".

Exclusivos