ONG presta cuidados de saúde a prostitutas de rua

A Saúde em Português vai desenvolver um projecto de prestação de cuidados de saúde e apoio psico-social em zonas de prostituição de Coimbra e na periferia da cidade, anunciou hoje o presidente desta organização não governamental (ONG), Hernâni Caniço.

Denominado Saúde na Esquina, o projecto visa "promover a saúde, a prevenção e o tratamento da doença, a reabilitação, a redução de danos" e a reinserção da mulher trabalhadora do sexo de rua, revelou a médica Esther Leon, coordenadora do projecto. Paralelamente, acrescentou Esther Leon, que falava, esta tarde, em Coimbra, na sessão de apresentação do Saúde na Esquina, também se pretende "obter ganhos em saúde e mais saúde para todos", fomentar e "disciplinar parcerias" e contribuir para a "democratização do conhecimento do processo saúde/doença". A caracterização da mulher trabalhadora do sexo de rua é outro dos objectivos do projecto, cuja execução será garantida por dez técnicos (três médicos, um enfermeiro, um psicólogo e um sociólogo, entre outros), que se deslocarão, periodicamente, em equipas de cinco elementos, às zonas onde é praticada prostituição, numa unidade móvel de saúde, prestando aí informações e cuidados de saúde.

O facto dos técnicos envolvidos no projecto disporem de uma unidade móvel de saúde permite que a informação e a assistência possam ser prestadas no local, tornando-as mais acessíveis e garantindo a confidencialidade, sublinhou Andreia Speidel, especialista em doenças infecciosas e igualmente envolvida no Saúde na Esquina. Tais meios não resolvem, todavia, as dificuldades que a coordenadora do projecto prevê que vão surgir, designadamente, para abordar e sensibilizar as mulheres. De todo o modo, adiantou Esther Leon, há já algumas que desenvolvem a sua actividade na cidade de Coimbra e na periferia, que já foram sensibilizadas e estão dispostas a cooperar.

Além destas com actividade na região de Coimbra, o Saúde na Esquina também terá como público-alvo proxenetas e, por outro lado, profissionais de saúde. São parceiros neste projecto, a Administração Regional de Saúde do Centro, através, nomeadamente, de um centro de saúde, a Associação Existências e o Centro de Aconselhamento e Diagnóstico Precoce do VIH de Coimbra (CAD). O projecto Saúde na Esquina, que se desenvolverá entre Junho deste ano e maio de 2012, é apoiado pela Direcção Geral de Saúde, que comparticipa 80 por cento do seu custo. O presidente da ONG Saúde em Português acredita, no entanto, que será possível angariar a verba em falta (cerca de dez mil euros) junto de instituições, de empresas e da população de Coimbra, que não deixarão de "compreender a importância deste trabalho".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG