Menina desaparecida estava com o namorado

Sara, 13 anos, esteve duas noites fora de casa com Leandro, de 15. Afinal, a pista de que foi ter com um contacto da Internet era falsa.

A rapariga de 13 anos e o namorado de 15, que estavam dados como desaparecidos desde sábado, foram entregues ontem, ao início da tarde, à família, pela PJ, no posto da GNR de Vagos, distrito de Aveiro. Por amor, alegadamente, aventuraram-se a passar juntos duas noites, mas havia indícios de que teria sido preparada uma ausência mais prolongada.

Estiveram ao frio, no casebre de uma quinta, alimentando-se de laranjas e sem dinheiro. Quando souberam que eram procurados, tiveram receio de voltar às famílias.

Sara Filipa terá sido a primeira a ausentar-se de casa, em Tabuaço, freguesia de Ouca, após a noite de consoada, deixando apenas uma carta, onde escreveu fugir para Lisboa com um indivíduo de nome "Manel", que conhecera na Internet, na esperança de realizar o sonho de cantar num concurso de televisão e tornar-se famosa.

A rapariga terá acordado o pai pela 01.00 do dia 25, após o jantar de consoada e habitual distribuição de prendas. Carlos Estanqueiro, operário fabril, madrugou para ajudar um amigo a assar leitões, como é habitual nas festas.

Enquanto a mãe e os três irmãos (7, 8, 10 anos) dormiam, ela própria ausentou-se a pé em circunstâncias ainda não totalmente clarificadas. Às 05.00 da manhã, uma irmã deu pela sua falta e alertou a mãe, que ficou ainda mais em alvoroço ao encontrar a carta.

Depois de colocados alertas de desaparecimento em vários locais públicos de Vagos, e já com a Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro em campo, durante o domingo e o dia de ontem os pais receberam várias chamadas de conhecidos que teriam visto a filha mais velha na rua.

Confirmou-se que a rapariga nunca terá andado longe de casa. O motivo da ausência serviria, talvez, para desviar as atenções, dado que se fez acompanhar, em grande parte do tempo, pelo namorado. Leandro não esteve na sua residência, no vizinho lugar do Boco, pelo menos desde sábado à tarde, alegando que só fora ao encontro da Sara quando soube pela GNR que desaparecera de casa.

O casal adolescente, alunos do sexto ano da escola EB 2, 3 João Rocha Vagos, foi visto ontem num café no lugar de Lomba, freguesia de Santo António. Uma senhora reconheceu a rapariga e enquanto lhes ofereceu algo para comer, de forma a que permanecessem mais algum tempo por ali, chamou a GNR. Quando o pai regressou à tarde na companhia da filha mais velha, ainda não tinha "explicações exactas" para o que sucedera, admitindo que pudesse estar relacionado "com algum respeito" que impunha nas saídas de casa.

"Dizia-lhe que é muito nova, tem de se dedicar ao estudo e talvez tenha feito uma birra por não estar com o rapaz quando queria", contou. Carlos Estanqueiro chegou a recear "um caso de rapto por algum pedófilo". Já refeito do susto, só pediu à filha "para não voltar a fazer o mesmo".

No reencontro, a rapariga garantiu ainda aos pais que "não aconteceu nada de mal" enquanto esteve com o namorado, mas a mãe, Isabel, exigiu na GNR que fossem feitos exames médicos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG