Milhares de fiéis em Fátima a oito horas da peregrinação

Milhares de pessoas estão já na Cova da Iria, a cerca de oito horas do início oficial da peregrinação de hoje e de 13 de maio ao Santuário de Fátima.

Junto à Capelinha das Aparições, deambulando pela esplanada do recinto do Santuário ou procurando uma sombra ou descanso numa qualquer esplanada das imediações, são muitos os que se preparam para, a partir das 18:30, participarem nas cerimónias presididas pelo cardeal Gianfranco Ravasi, responsável pelo Conselho Pontifício para a Cultura.

Cerca de 300 mil são esperados para as comemorações dos 95 anos da primeira aparição mariana da Cova da Iria.

Segundo os relatos da vidente Lúcia de Jesus - uma das três crianças protagonistas dos acontecimentos de 1917 na Cova da Iria -, naquele ano, o dia 13 de maio era domingo. "Depois de terem ido à missa à paróquia, as crianças tinham levado as ovelhas a pastar para um lugar a dois quilómetros de Aljustrel, chamado Cova da Iria. O céu estava azul e claro, mas, a dado instante, pareceu-lhes ver um relâmpago. De repente, viram outro clarão e ali, a poucos passos deles, sobre uma pequena azinheira, apareceu a figura de 'uma Senhora vestida toda de branco', mais brilhante que o sol", contou a mais velha das videntes.

A partir daquele dia, a Cova da Iria tornou-se local de afluência de devotos marianos de todo o mundo, recebendo na atualidade cerca de cinco milhões de peregrinos por ano.

Hoje, Fátima, além de grande pólo do catolicismo português, afirma-se também como um dos grandes pontos de interesse turístico do país, com um parque hoteleiro que esgota a sua capacidade em dias de grandes peregrinações aniversárias - principalmente maio, agosto e outubro.

Com os hotéis e pensões cheios, a maioria dos peregrinos recorre aos parques de estacionamento em torno do santuário, onde se ergue uma verdadeira cidade de tendas e caravanas.

A visita aos locais onde viveram os beatos Jacinta e Francisco Marto e a prima Lúcia, em Aljustrel, ou aos museus de cera e da vida de Cristo, são, a par das participações nas múltiplas cerimónias que decorrem em permanência no santuário, as formas de ocupação do tempo dos fiéis até ao início oficial da peregrinação.

Às 18:30, na Capelinha das Aparições, vai caber ao cardeal Ravasi a abertura da peregrinação com uma saudação aos peregrinos, seguindo-se às 21:30 a bênção solene das velas e recitação do rosário e missa.

Após uma noite de vigília, a celebração final tem início no domingo às 09:00, com rosário na Capelinha, seguida de procissão para o altar do recinto, missa, bênção dos doentes e procissão do adeus.

Alem dos muitos milhares de peregrinos portugueses que aproveitam para cumprirem promessas, os serviços do santuário têm inscritos 142 grupos organizados, oriundos de 25 países, para participarem nas cerimónias de hoje e domingo.

Ler mais

Exclusivos