Jovem acusado de matar homem por 40 euros conhece hoje acórdão

O jovem de 21 anos inicialmente acusado do homicídio de um homem que lhe devia 40 euros, mas que será julgado por ofensa à integridade física qualificada, conhece hoje o acórdão no Tribunal de Benavente.

A alteração da qualificação jurídica do crime foi decidida pelo coletivo de juízes no decorrer do julgamento, depois de um perito do Instituto de Medicina Legal, que fez a autópsia à vítima, ter explicado que a morte não se deveu às agressões do arguido, mas antes a uma hemorragia espontânea que poderia acontecer a qualquer momento.

O jovem incorria numa pena de prisão entre 12 e 25 anos por homicídio qualificado. Com a desqualificação do crime para ofensa à integridade física qualificada, fica sujeito a uma pena máxima de quatro anos.

Durante as alegações finais, o magistrado do Ministério Público (MP) defendeu a condenação do arguido em pena suspensa, apesar de reconhecer o motivo "fútil" pelo qual o mesmo agrediu com bofetadas e pontapés na cabeça António Afonso.

O advogado da vítima pediu a pena máxima de quatro anos, enquanto a defensora do arguido defendeu a sua absolvição.

A leitura do acórdão está agendada para hoje às 13:30 no Tribunal de Benavente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.