Homem acusado de degolar a mulher conhece hoje acórdão

Um homem de 26 anos acusado de homicídio qualificado por ter degolado a mulher, de 23, conhece hoje o acórdão no Tribunal de Benavente.

Nas alegações finais, o magistrado do Ministério Público (MP) disse não restarem dúvidas de que o arguido matou a jovem e defendeu a condenação a uma pena de prisão efetiva pela prática de homicídio qualificado e a sua expulsão do país após cumprir a pena.

É convicção do MP que o arguido, depois de perpetrar o crime "bárbaro", tentou suicidar-se mas não conseguiu, razão pela qual foi pedir ajuda aos vizinhos quando estava ferido.

Para o magistrado do MP, as motivações do crime prendem-se com razões passionais e o facto de a vítima, Helmina Biem, querer a separação, enquanto o arguido pretendia ser pai para obter a legalização.

Por seu lado, o advogado de defesa do acusado reafirmou a tese defendida pelo arguido. O suspeito sustentou sempre que agiu em legítima defesa, versão que foi contrariada pela inspetora da Polícia Judiciária.

"Ela [vítima] não o atingiu em nenhum sítio. Os golpes [no pescoço e na zona torácica] foram auto-infligidos e o crime desenrolou-se apenas no quarto", afirmou, na ocasião, a responsável pela investigação.

Bouna Sackho encontra-se em prisão preventiva e está acusado pelo Ministério Público de um crime de homicídio qualificado na forma consumada, punível com pena de prisão de 12 a 25 anos.

A leitura do acórdão está agendada para as 09:30.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".