Greve de 24 horas na Transtejo vai afetar ligações

Os trabalhadores da empresa Transtejo, que faz ligações fluviais no rio Tejo, vão realizar uma greve de 24 horas, a partir da meia-noite, que deve paralisar as carreiras do Montijo, Seixal, Almada e Trafaria para Lisboa.

Os trabalhadores decidiram em plenário avançar para a greve de 24 horas na segunda-feira, pois estão contra a nova legislação, que vai originar cortes salariais. O grupo Transtejo anunciou que devido à greve não vai poder garantir, em condições de normalidade, o serviço de transporte fluvial, apesar de anunciar que existem serviços mínimos decretados pelo Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social (CES).

Assim, as ligações em todas as carreiras da Transtejo começam a parar na noite de hoje e devem regressar à normalidade já depois das 00:00 do dia 26 de novembro, terça-feira.

A ligação entre Cacilhas (Amada) e o Cais do Sodré é que tem prevista a realização de mais carreiras de serviços mínimos ao longo do dia de greve, em ambos os sentidos, no período de hora de ponta da manhã e da tarde.

Na ligação entre o Montijo e Lisboa está prevista a realização de cinco carreiras ao longo dia, três no sentido Montijo/Cais do Sodré e duas em sentido inverso, enquanto na ligação do Seixal apenas se devem realizar quatro carreiras, três no sentido Seixal/Cais do Sodré e um em sentido inverso.

Na carreira entre a Trafaria e Belém não está previsto nenhum serviço mínimo.

"A realização destas carreiras está condicionada ao cumprimento da decisão do CES, por parte dos trabalhadores, bem como à lotação do navio de serviço durante os períodos de greve. Os serviços mínimos da ligação do Montijo serão realizados, excecionalmente no dia 25 de novembro, considerando o desembarque e embarque no terminal do Cais do Sodré", refere o grupo Transtejo.

A Transtejo anuncia ainda que títulos de transporte serão válidos, durante os períodos de greve, na ligação entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, que é da empresa Soflusa, que também pertence ao grupo Transtejo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".