Detido por desacatos no mercado da Baixa da Banheira

A PSP de Setúbal informou hoje que um homem foi detido na sequência dos desacatos no mercado da Baixa da Banheira, na Moita, que envolveram feirantes e a PSP na quarta-feira.

"Um agente policial efetuava policiamento em serviço remunerado e, ao aproximar-se de uma banca para averiguar sobre a venda de produtos contrafeitos, foi interpelado e agredido por um individuo, pelo que o elemento policial utilizou o gás pimenta contra o agressor por forma a cessar esse comportamento e proceder à detenção", referiu a PSP em comunicado.

Um segundo homem avançou então em direção ao agente policial e agrediu-o com "empurrões e socos". Depois, os agressores fugiram. "O elemento da PSP encetou perseguição ao segundo indivíduo e alcançou-o ainda no interior do mercado. Contudo, nesse momento, um conjunto de pessoas aproximou-se para impedir a ação policial.

Mesmo nestas condições, o elemento policial logrou deter o agressor de 52 anos de idade e, com recurso à força física, imobilizou-o contra o solo", acrescenta o comunicado.

A polícia enviou apoio para o local de modo a "restabelecer a segurança", referindo que um dos agressores conseguiu fugir.

"O elemento policial e o detido receberam tratamento em virtude dos sofrimentos que apresentavam, sem, contudo, necessitarem de internamento hospitalar", explicou a PSP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.